Uma visão geral da História das Missões

(Baseado em Ralph Winter, em Perspectivas no Movimento Mundial Cristão - em inglês)

Fase Um: Ano 1-400 - Os Romanos

Possivelmente, o trabalho de Paulo na Galácia estabeleceu contatos com os Gauleses no Ocidente e com outros povos no noroeste da Europa.

A mais precoce missão composta irlandesa seguiu um plano derivado dos centros cristãos do Egito, não dos centros romanos com sua capela central. E a primeira linguagem dos cristãos na Gália foi grego, não latim. Portanto, a propagação do cristianismo não ocorreu somente por uma expansão formal, sistemática de uma Roma cristianizada, mas espontaneamente através de conexões naturais, por exemplo, de famílias grandes.

Por volta de 312 existiam cristãos suficientes no Império Romano (apesar das longas e terríveis perseguições) para que fosse politicamente possível e sensato para Constantino reverter suas próprias obrigações e a política do estado. Ele se declara um cristão.

Havia uma necessidade de coesão no Império e somente o cristianismo dentre todas as religiões não tinha o nacionalismo como raiz. Ele não tinha um centro geográfico. Ele não era racialmente específico.

Em 375 o cristianismo era a religião oficial do Império Romano.

Mas não havia um grande impulto para evangelizar as porções ao norte da Europa, apesar deles saberem que estes povos não tinham o evangelho.

Fase Dois - Anos 400-800 - os Bárbaros

Durante os 100 anos de paz para o cristianismo (310 a 410), existia pouco esforço oficial da igreja em evangelizar as nações bárbaras do norte. Em vez disso, o nominalismo e o conforto do cristianismo oficial fez pouco para conter a onda de corrupção interna em Roma, e o Império deu forma à decadência e à invasão dos visigodos, dos ostrogodos, dos vândalos, etc.

Mas o desfecho disso foi que os romanos perderam a metade oeste do Império enquanto os bárbaros, no sentido real, ganharam a fé cristã.

Durante os 400 anos após a queda de Roma, a ordem Cristã Beneditina estabeleceu 1.000 missões compostas por todo o Império Oeste. Evangelistas viajantes como Colomban (irlandês) e Boniface (alemão) não deveriam ser necessariamente julgados juntamente com os monges mundanos e legalistas dos dias de Lutero.

Na direção do fim deste período, Carlos Magno surgiu como um tipo de segundo Constantino. Ele expôs ideais cristãos, mas não levou os diligentes esforços missionários às fronteiras do norte - os escandinavos, os vikings.

Fase Três: Vikings

Os povos não evangelizados do norte invadiram o confortável, mas não evangelizador Império do sul. Eles eram vikings navegadores e tomaram muitas ilhas e centros cristãos litorâneos. Diferente dos bárbaros parcialmente evangelizados que invadiram Roma, esses invasores não foram alcançados e destruíram igrejas, bibliotecas e crentes.

Os povos do norte não cessaram de assassinar e tornar cativos os povos cristãos, destruir as igrejas e queimar as cidades. Em todo lugar não havia nada além de corpos mortos - clero e leigos, nobres e pessoas comuns, mulheres e crianças. Não havia estrada ou lugar onde o chão não estivesse coberto de cadáveres. Vivemos em aflição e angústia diante deste espetáculo da destruição do povo cristão. (Christopher Dawson, Religion and the Rise of Western Culture, p. 87)

Mas novamente o poder do cristianismo se mostrou. Os conquistadores foram conquistados. Freqüentemente, eram os monges vendidos como escravos, ou as meninas cristãs forçadas a serem suas esposas e amantes quem eventualmente ganhava esses selvagens do norte. "Aos olhos de Deus, sua redenção deve ter sido mais importante que a tragédia angustiante desta nova invasão de violência bárbara e perversa que caiu sobre o próprio povo de Deus, a quem ele amava." (Winter, p. 148)

As igrejas e monastérios se tornaram ricas na segunda fase, e este é o motivo porque os Vikings foram tão atraídos por elas. Então houve um refinamento que veio sobre as igrejas enquanto a devastação se espalhava.

A fé se alastrou de volta à Escandinávia.

A fase terminou com outro homem cristão muito poderoso, Inocêncio III, mas não houve impulso por missões para os povos além da Europa.

Fase Quatro: Anos 1200-1600 - Cruzadas

Os frades foram uma nova força evangelística, mas a tragédia foram os repetidos esforços para tomar a Terra Santa à força - as Cruzadas. Isso foi uma herança do espírito Viking para a igreja - todas as cruzadas foram lideradas por descendentes Vikings.

Francisco de Assis e Raymond Lull foram claras exceções ao espírito das Cruzadas.

O julgamento veio desta vez sobre o império não por invasores humanos, mas em 1346 pela Peste Bubônica, que durou quarenta anos. De um terço a metade da população da Europa morreu, e os mais atingidos foram os melhores (120.000 Franciscanos somente na Alemanha), mas não os participantes das Cruzadas. Winter sugere que a razão é que o julgamento foi a remoção dos melhores mensageiros da verdade. Este foi um julgamento maior sobre aqueles deixados para trás do que sobre os bons que morreram (p. 152.1)!

A recuperação levou à Reforma e à fase final, que enviou o evangelho ao redor do mundo com os navios de comércio e conquista.

Veja a p. 151 para um bom resumo de como as quatro fases de expansão foram julgadas no final, por causa da acomodação em suas bênçãos e o não compartilhamento destas com os povos não alcançados do mundo.

Fase Cinco: Anos 1600-2000 - Até os confins da terra

Veja as três eras das missões modernas.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For Internet posting, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org