Os Judeus Têm Algum Direito Divino na Terra da Promessa?

O que os crentes devem pensar a respeito do conflito entre judeus e palestinos

Como os cristãos evangélicos devem se posicionar em relação ao conflito entre judeus e palestinos? Há razões bíblicas para abordarmos ambos os lados com justiça pública compassiva, da mesma maneira como deveriam ser resolvidos os outros conflitos entre nações. Em outras palavras, a Bíblia não nos ensina a sermos parciais em relação a Israel ou aos palestinos porque qualquer deles tem um status divino especial.

Não estou negando que Israel foi escolhido por Deus, dentre todos os povos do mundo, para ser o foco de bênção especial na história da redenção, que culminou em Jesus Cristo, o Messias. “O senhor, teu Deus, te escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que há sobre a terra” (Deuteronômio 7.6).

Também não estou negando que Deus prometeu, desde o tempo de Abraão, a Israel a terra que hoje é alvo de disputas. Ele disse a Moisés: “Esta é a terra que, sob juramento, prometi a Abraão, a Isaque e a Jacó, dizendo: à tua descendência a darei” (Deuteronômio 34.4).

No entanto, nenhum desses fatos bíblicos nos leva a apoiar Israel atual como o possuidor legítimo de toda a terra disputada. Israel talvez tenha esse direito, mas talvez não o tenha. Mas essa decisão não está fundamentada em privilégio divino. Por que não?

Em primeiro lugar, um povo que não cumpriu a aliança não tem um direito divino de possuir a terra santa. Tanto o estado de bem-aventurança como o direito privilegiado de possuir a terra estão condicionados a Israel guardar a aliança que Deus fez com esse povo. Deus havia dito a Israel: “Se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos” (Êxodo 19.5). Israel não tem qualquer garantia para experimentar no presente o privilégio divino, porque não está guardando a aliança com Deus.

Mais do que uma vez foi negado a Israel o seu direito divino à terra, quando rompeu sua aliança com Deus. Por exemplo, quando Israel desfalecia no cativeiro babilônico, Daniel orou: “Ah! Senhor!... temos pecado e cometido iniqüidades, procedemos perversamente... A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós, o corar de vergonha, como hoje se vê; aos homens de Judá, os moradores de Jerusalém, todo o Israel, quer os de perto, quer os de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas transgressões que cometeram contra ti” (Daniel 9.4-7; ver Salmos 78.54-61). Israel não tem qualquer direito de estar na terra da promessa, quando está quebrando a aliança da promessa.

Isso não significa que outras nações têm o direito de molestar Israel, que ainda tem direitos humanos entre as nações, embora não tenha direito divino. As nações que exultaram com a disciplina divina sobre Israel foram punidas por Deus (Isaías 10.5-13).

Em segundo, Israel como um todo rejeita hoje o seu Messias, Jesus Cristo, o Filho de Deus. Este é o ato crucial do rompimento da aliança com Deus. Ele prometeu a Israel: “Um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6-7). Mas, com lágrimas, esse Príncipe da Paz, olhou para Jerusalém e disse: “Ah! Se conheceras por ti mesma, ainda hoje, o que é devido à paz! Mas isto está agora oculto aos teus olhos... porque não reconheceste a oportunidade da tua visitação” (Lucas 19.42, 44).

Quando os construtores rejeitaram a maravilhosa Pedra Angular, Jesus declarou: “O reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos” (Mateus 21.43). Ele explicou: “Muitos virão do Oriente e do Ocidente e tomarão lugares à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no reino dos céus. Ao passo que os filhos do reino serão lançados para fora, nas trevas” (Mateus 8.11-12).

Deus tem propósitos de salvação para Israel como nação (Romanos 11.25-26). Mas, agora, o povo está em inimizade para com Deus, ao rejeitar o evangelho de Jesus Cristo, o seu Messias (Romanos 11.28). Deus expandiu sua obra de salvação a fim de incluir todos os povos (dentre estes, os palestinos) que crerem no seu Filho e dependerem da morte e ressurreição dEle para a salvação. “É, porventura, Deus somente dos judeus? Não o é também dos gentios? Sim, também dos gentios, visto que Deus é um só, o qual justificará, por fé, o circunciso e, mediante a fé, o incircunciso” (Romanos 3.29-30).

O apelo cristão no Oriente Médio, tanto aos judeus como aos palestinos, é: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (Atos 16.31). E até aquele Grande Dia, quando judeus e palestinos seguidores do Rei Jesus herdarão a Terra (e não apenas a terra), sem levantarem espada ou metralhadoras, os direitos das nações devem ser decididos por princípios de justiça pública e compassiva, e não por reivindicações de status ou direito divino.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For Internet posting, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org