Emprestando a Deus

Provérbios 19:17

"Quem se compadece do pobre ao Senhor empresta,
e este lhe paga o seu benefício."

Eu tenho grandes problemas em me imaginar como credor de Deus. Como eu posso possivelmente presumir dizer que eu emprestei algo do meu celeiro a Deus, e agora ele é meu devedor? Deus não disse, "Se eu tiver fome, não to diria, pois o mundo é meu e quanto nele se contém." (Salmos 50:12)? Certamente isso significa que nós estamos insultando a Deus, quando nos atrevemos a negociar com ele. Nós esquecemos que tudo o que temos para oferecer, já pertence a Deus. Nós somos meros mordomos, administradores dos bens de Deus. Ele é dono legítimo de tudo o que existe. Então, como pode um mordomo emprestar ao seu patrão o que ele já tem? Paulo deixa muito claro em Romanos 11:35 que ninguém jamais deu algo a Deus, que Ele então, teve que pagar de volta.

Para entender Provérbios 19:17, eu acho que devemos começar com um ensino mais básico desse livro: "Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento" (Provérbios 3:5). O único jeito de se ter uma vida plena, é parar de se apoiar em nosso próprio entendimento, e começar a se apoiar em Deus para prover as mudanças necessárias dos problemas.

Agora, uma pessoa que sabe que Deus quer abençoá-la pela sua fé mais do que pelo seu grande "entendimento", irá olhar para o necessitado por uma nova perspectiva. Ele irá dizer, "Bem, aqui está alguém muito parecido comigo. Ele não tem poder ou meios de negociar com Deus. Tudo o que ele pode fazer é confiar nEle. Isso é tudo o que eu posso fazer também. Então é melhor eu não me vangloriar sobre ele. E não é só isso, esta é uma oportunidade para eu expressar minha confiança em Deus. Se eu der para esse pobre homem um pouco do meu dinheiro, do meu tempo ou da minha disposição para ajudá-lo encontrar um emprego, então não vai sobrar muito dinheiro, tempo ou disposição para fazer as coisas que eu estava planejando fazer para me fazer feliz. Então isso significa que eu terei que confiar em Deus e não me apoiar no meu próprio entendimento. Mas isso, na verdade, não é um grande risco, porque eu sei como Deus ama ser confiado. De fato, Deus ama tanto ser confiado, que ele sempre abençoa aqueles que confiam nele com uma vida mais plena do que se eles não tivessem confiado nEle. Então, claro, eu vou ajudar esse pobre homem."

Se ser bom com os pobres é um ato de confiança em Deus, para que ele cuide de nós, então há um sentido no fato de que Deus se torna um devedor. Ele é um devedor para sua própria glória. Se eu confiar nEle, e considerar que sua palavra, sabedoria e amor são dignos de confiança, então Deus é compelido de honra e glória para sustentar o valor de sua palavra, sabedoria e amor. Confiança é a única coisa que pode colocar Deus em débito. A razão pela qual a confiança pode fazer isso, é que ela é a única atitude humana que desvia o olhar da nossa suficiência para a suficiência de Deus. Quando a suficiência de Deus está em jogo, ele prevalecerá.

Então enquanto nós, na verdade, não emprestamos nada a Deus sendo bons para os pobres, nós nos colocamos em uma situação onde Deus deve nos abençoar—isto é, se fizemos nossa bondade por confiança na misericórdia de Deus de cuidar de nós.

Da Padaria,

Pastor John

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org