Sinais, Maravilhas e o Sofrimento

No sermão do último domingo tentei responder à questão do porque é que a oração por sinais e maravilhas (Atos 4:30) não tem de significar que aqueles que oram são "perversos e adúlteros" (Mateus 12:39) e não tem de significar que eles menosprezam o poder exclusivo da palavra da cruz somente para salvar (Romanos 1:16; 1 Coríntios 1:18, 22-24). Eu tentei demonstrar que essas acusações contra o orar por sinais e maravilhas são, na verdade, acusações contra os Cristãos em Atos porque eles oraram por sinais e maravilhas para que fossem realizados juntamente com suas pregações (Atos 4:29-30).

Agora, existe outra objeção contra o orar por sinais e maravilhas que comete o mesmíssimo erro. Ela é a seguinte: pedir a Deus para estender a Sua mão para curar e realizar sinais e maravilhas contradiz o chamado bíblico para a abnegação, sofrimento e o caminho da cruz. Nós vivemos num mundo caído e fútil (Romanos 8:21-22). Nós gememos num corpo que não será redimido antes da Segunda Vinda (Romanos 8:23). O poder de Cristo se aperfeiçoa na nossa fraqueza (2 Coríntios 12:9-10). Nós temos o tesouro de Cristo em vasos de barro para que o Seu poder seja demonstrado (2 Coríntios 4:7). Nossas aflições estão preparando para nós um peso eterno de Glória (2 Coríntios 4:17). Através de muitas tribulações nós devemos entrar no Reino (Atos 14:22).

A resposta a esta objeção é a mesma resposta dada à primeira: a objeção é, na verdade, contra Paulo. Você percebeu que todos os textos citados no parágrafo anterior sobre o lugar de sofrimento vem de Paulo? Não é surpreendente, pois, que no início de seu chamado para o ministério Jesus tenha dito, "Mostrarei a ele o quanto deve sofrer pelo meu nome" (Atos 9:16). A vida de Paulo foi uma longa experiência de sofrimento físico, emocional, espiritual e relacional. E ele disse a todos os seus convertidos para esperar algo semelhante (Atos 14:22).

Então, perguntamos, "Será que isso torna os sinais e maravilhas inconsistentes no ministério dele?" Não. Ele resumiu seu ministério desta forma: "Não me atrevo a falar de nada, exceto daquilo que Cristo realizou por meu intermédio em palavra e em ação, a fim de levar os gentios a obedecerem a Deus: pelo poder de sinais e maravilhas e por meio do poder do Espírito de Deus" (Romanos 15:18-19).

Por outras palavras, uma vida de sofrimento e um ministério de sinais e maravilhas não foram inconsistentes para o apóstolo. C.K. Barret abordou dessa forma em seu comentário sobre 2 Coríntios: "Os milagres não eram uma contradição da teologia da cruz a qual Paulo proclamou e praticou, uma vez que eles não foram realizados num contexto de triunfante sucesso e prosperidade, mas no meio da agonia e difamação que ele era obrigado a suportar" (p.321). Porquê, eu pergunto, algumas pessoas dizem que a oração por sinais e maravilhas atualmente (Atos 4:30) é uma negação do chamado bíblico para o sofrimento? Certamente não tem que ser. E dizer que sim é uma acusação contra o ministério do próprio Paulo.

Se virmos um homem numa cadeira de rodas realizando um ministério de cura para outros, eu certamente não quero estar entre os que ficam atrás e dizem as ameaçadoras palavras, "Médico, cura-te a ti mesmo."

Orando Atos 4:29-30 com (a maioria ☺) de vocês,

Pastor John

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org