O Maior Acontecimento na História

Dois paradoxos na morte de Cristo

Como deveríamos esperar, o maior acontecimento na História do mundo é complexo. Visto que Jesus é homem e Deus, em uma única pessoa, a morte de Jesus foi a morte de Deus? Para responder esta pergunta, temos de falar sobre as duas naturezas de Cristo — a divina e a humana. Desde o ano 451 d. C., a definição do Concílio de Calcedônia a respeito das duas naturezas de Cristo em uma pessoa tem sido aceita como o ensino ortodoxo das Escrituras. O Concílio de Calcedônia disse:

Nós, então... ensinamos os homens a confessarem... o único e o mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, que deve ser reconhecido em duas naturezas, inconfundível, imutável, indivisível, inseparável. A distinção entre as duas naturezas não é, de modo algum, removida pela união; pelo contrário, a propriedade de cada natureza é preservada e coincidente em uma única Pessoa e uma única Subsistência, não partida nem dividida em duas pessoas, mas um único e o mesmo Filho, o unigênito, Deus, a Palavra, o Senhor Jesus Cristo.

A natureza divina é imortal (Romanos 1.23; 1 Timóteo 1.17). Não pode morrer. Isso faz parte do que significa ser Deus. Portanto, quando Cristo morreu, foi a sua natureza humana que sofreu a morte. O mistério da união entre a natureza divina e a humana, naquela experiência de morte, não é revelado para nós. O que sabemos é que Cristo morreu e naquele mesmo dia foi ao Paraíso (“Hoje estarás comigo no paraíso” — Lucas 23.43). Portanto, parece ter havido conscientização na morte, de modo que a união entre a natureza humana e a divina não precisasse ser interrompida, embora Cristo tenha morrido somente em sua natureza terrena.

Outro exemplo da complexidade da morte de Cristo é como Deus Pai a experimentou. O ensino mais comum dos evangélicos é que a morte de Cristo é a experiência, por parte de Cristo, da maldição do Pai. “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro)” (Gálatas 3.13). Que maldição? Alguém poderia abrandar isso, dizendo: “A maldição da lei”. Mas a lei não é uma pessoa, que pode amaldiçoar a outrem. Uma maldição é uma maldição quando há alguém que amaldiçoa. Aquele que amaldiçoa por meio da lei é Deus, que a escreveu. Por conseguinte, a morte de Cristo por nosso pecado e por nossa transgressão da lei foi a experiência da maldição do Pai.

Essa foi a razão por que Jesus disse: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mateus 27.46) Na morte de Cristo, Deus lançou sobre Ele os pecados de seu povo (Isaías 53:6), os pecados que Ele odiava. E, sentindo ódio pelo pecado, Deus se afastou de seu Filho carregado de pecados, entregando-O a sofrer toda a força da morte e da maldição. A ira do Pai foi derramada sobre o Filho, e não sobre nós, para que a ira de Deus para conosco fosse propiciada (Romanos 3.25) e removida.

Mas eis o paradoxo. Deus aprovou profunda e alegremente o que o Filho estava fazendo naquela hora de sacrifício. De fato, Deus a havia planejado juntamente com o Filho. E o amor de Deus para com o Deus-Homem, Jesus Cristo, na terra se devia à própria obediência que levou Jesus Cristo à cruz. A cruz foi o ato que coroou a obediência e o amor de Cristo. E o Pai aprovou e se alegrou profundamente com esta obediência e amor. Por isso, Paulo disse estas palavras admiráveis: “Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave” (Efésios 5.2). A morte de Jesus foi uma fragrância para Deus.

Assim, existe ainda mais uma gloriosa complexidade. A morte de Cristo foi a maldição de Deus e a ira de Deus; porém, ao mesmo tempo, foi agradável a Deus e um aroma suave. Enquanto Deus se afastava de seu Filho e O entregava à morte, levando sobre Si o nosso pecado, Deus se deleitava na obediência, no amor e na perfeição do Filho.

Portanto, permaneçamos em temor e contemplemos com tremor e alegria a morte de Jesus Cristo, o Filho de Deus. Não existe acontecimento mais importante na História. Não existe coisa mais grandiosa para que a nossa mente pondere e nosso coração admire. Permaneça neste acontecimento. Tudo que é importante e bom se une aqui. É um lugar de sabedoria, felicidade e relevância; é aqui que devemos permanecer.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org