O Preguiçoso Diz, Há um Leão Lá Fora! Serei Morto

Uma Meditação

O preguiçoso diz, "Há um leão lá fora! Serei morto na rua!"

Isto não é o que eu esperava que o provérbio dissesse. Eu esperaria que o provérbio dissesse “O covarde diz, ‘Há um leão lá fora! Serei morto na rua!” Mas ele diz, “preguiçoso”, não “covarde”. Então, a emoção dominante aqui é a preguiça, não o medo. Mas o que a preguiça tem a ver com o perigo de um leão na rua? Nós não dizemos, "Este homem está com muita preguiça para ir fazer seu trabalho, porque há um leão lá fora.” A presença do leão não produz preguiça, produz medo. Então, qual é o ponto do provérbio?

O ponto é que o preguiçoso cria circunstâncias imaginárias para justificar o fato de não trabalhar, e assim muda o foco do vício da sua preguiça para o perigo de leões. Ninguém aprovará que ele fique em casa o dia todo só porque está com preguiça. Mas eles podem se solidarizar com ele e aprovar sua estadia em casa se houver verdadeiro perigo lá fora. Então, para esconder sua preguiça e se justificar, ele desvia a atenção da verdade (preguiça) para uma ilusão (leões).

Se pretendemos ser pessoas sábias – pessoas a caminho de se tornarem ‘sábias’ – precisamos compreender como trabalham nossos corações e mentes pecaminosos. Uma profunda percepção bíblica que precisamos compreender é que nosso coração utiliza nossa mente para justificar o que quer. Isto é, nossos desejos mais profundos antecedem o funcionamento racional das nossas mentes e inclinam a mente para apreender e pensar de modo que os desejos pareçam corretos. É uma ilusão pensar que nossos corações são neutros e se inclinam de acordo com a sóbria observação racional da verdade. Pelo contrário, sentimos desejos poderosos ou medos em nossos corações, e ENTÃO nossas mentes dobram a realidade para justificar os desejos e medos.

É isso que o preguiçoso está fazendo. Ele deseja profundamente ficar em casa e não trabalhar. Não há uma boa razão para ficar em casa. Então, o que ele faz? Ele supera esse mau desejo? Não, ele usa sua mente para criar circunstâncias irreais, a fim de justificar seu desejo. Ele pode até mesmo acreditar na criação da sua mente. O engano pode passar de depravação moral para desordem mental – de enganar outros para enganar a nós mesmos.

Assim, Provérbios 26:16 diz, “O preguiçoso considera-se mais sábio do que sete homens que respondem com bom senso.” Agora, por que isso? A preguiça deixa a pessoa arrogante? Não necessariamente. Mas a torna resistente a qualquer verdade que exponha sua preguiça. Então, quando sete homens dizem, “Não há nenhum leão na rua,” o preguiçoso não pode ceder. Ele precisa insistir que sua própria resposta é mais sábia: Há um leão na rua. Caso contrário, sua preguiça é exposta pelo que é. Assim, a verdade é sacrificada no altar da autojustificação.

É uma história antiga. De Caim (Gênesis 4:9) a Clinton, a verdade tem sido sacrificada para desejar, e a mente tem sido astutamente empregada pelo coração obscurecido para encobrir suas paixões. Nós somos todos dados a isto. Nossa única esperança é a obra transformadora de Deus em nossos corações, para nos libertar da escravidão de um coração endurecido que produz uma mente fútil (Efésios 4:17-18; Romanos 6:17).

Isto é o que vimos no domingo passado em Romanos 1:18: “Eles suprimem a verdade pela injustiça.” A verdade está sendo feita refém pelos compromissos injustos do coração. O coração injusto então emprega a mente para distrair e iludir. Como Jesus diz, “Quem pratica o mal odeia a Luz.” (João 3:20). Praticar o mal que amamos nos faz hostis à luz da verdade. Nessa condição, a mente se torna uma fábrica de meias-verdades, equívocos, sofismas, evasivas e mentiras – qualquer coisa para proteger os maus desejos do coração da exposição e da destruição.

Ó, sábios em crescimento de Bethlehem, considerem e sejam sábios.

Pastor John

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org