Cinco Vivas para a Igreja e o Individualismo

Cinco Vivas para a Igreja e o Individualismo

Se individualismo é uma coisa ruim, corporativismo é também uma coisa ruim ou até pior. Se pudesse escolher, eu preferiria lutar pela verdade bíblica no caos do individualismo americano do que nas fortalezas corporativas dos campos do nazismo de Hitler e dos gulags do comunismo de Stalin.

Mas não vamos competir por quem é o pior cara. Minha intenção é mostrar que a mensagem do Novo Testamento confronta os horrores do corporativismo tão fortemente quanto o faz com o egoísmo cru do individualismo. Ele resgata a individualidade da pessoa humana da ilusão dos privilégios corporativos e de sua falta de cuidado. E ele recria uma corporação cuja glória é maior do que a soma de suas partes, mas nunca menor do que a glória de cada membro.

Desde que eu entrei no seminário (45 anos atrás), eu tenho escutado alertas contra o individualismo ocidental e convites para retornarmos ao corporativismo bíblico — "Israel é meu servo"... "Eu vou construir minha igreja". Digo Amém, mas então olho para convocações para a glória do individualismo bíblico, que não parecem ser muitas. Essa é uma delas.

Confrontando a Ilusão do Corporativismo

1. Primeiro, considere a radical confrontação das ilusões do corporativismo quando o evangelho encontra o judaísmo dos dias de Jesus e de Paulo. Por exemplo, João Batista diz:

Não presumam dizer de vocês mesmos, "Temos por pai a Abraão", pois eu lhes digo, Deus é capaz de levantar, dessas pedras, filhos para Abraão. Ainda agora o machado está posto à raiz das árvores. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada fora e lançada no fogo" (Mateus 3:9-10).

A ilusão era acreditar que pertencer ao Israel corporativo significaria escapar da ira de Deus (Mateus 3:7). João diz, entretanto: Vocês estão sonhando. Vocês não são um ramo seguro daquela árvore. Vocês são a árvore. A menos que vocês se arrependam individualmente de sua incredulidade, vocês serão cortados fora como qualquer gentio incrédulo.

Semelhantemente, Paulo lidou com a triste incredulidade de seus compatriotas judeus (Romanos 9:3):

Não é que a palavra de Deus tenha falhado. Nem todos que são descendentes de Israel pertencem a Israel, e nem todos são filhos de Abraão porque são sua descendência, mas "Por meio de Isaque a sua descendência será considerada" (Romanos 9:7).

Aqui, a ilusão do corporativismo é que a promessa de Deus tenha falhado, pois muitos judeus estão perecendo (Romanos 9:3; 11:14). A confrontação de Paulo a essa ilusão é dizer: o propósito de Deus quanto a eleição (Romanos 9:11) nunca foi corporativo, mas sempre individual. Pertencer à corporação da descendência de Abraão não é garantia de salvação. Isso é uma questão de eleição individual e fé. Para se ter certeza, eles são uma árvore, a aliança abraâmica, mas os ramos dessa árvore são indivíduos, estranhos ou naturais, e eles são cortados fora ou enxertados nela pela incredulidade ou fé (Romanos 11:17-24). "Eles foram cortados fora por causa de sua incredulidade, mas vocês permanecem através da fé" (Romanos 11:20).

Individualismo Intensificado para uma Verdadeira Vida Corporativa

2. Segundo, considere como Paulo corrigiu o corporativismo corrupto em prol de uma vida verdadeiramente corporativa.

"Irmãos, se alguém for surpreendido em alguma transgressão, vocês, que são espirituais, deverão restaurá-lo com espírito de mansidão. Persistam em vigiar-se, para que também vocês não sejam tentados. Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo. Se alguém pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. Deixe que cada um examine os próprios atos, e então a razão de seu orgulho estará em si mesmo e não em seu próximo, pois cada um deverá levar a própria carga (Gálatas 6:1-5).

O intuito aqui é uma preciosa corporativa conexão em Cristo. A própria "lei de Cristo" é carregar os fardos uns dos outros. O que isso está combatendo? Resposta: Um individual "pensar ser alguma coisa não sendo nada". Qual é o remédio? Não a anulação do indivíduo, mas sua intensificação: "Deixe que cada um examine os próprios atos, e então a razão de seu orgulho estará em si mesmo e não em seu próximo, pois cada um deverá levar a própria carga".

O que isso significa? Isso significa: Pare de permitir que a comparação auto-exaltante com seu próximo o impeça de ajudá-lo. Não compare. Cuide de seus próprios assuntos (o argueiro em seu olho). Você possui seus próprios fardos de pecado, fraqueza e falhas para carregar. Não se desculpe a si mesmo com comparações. Quando você concluir sua auto-avaliação dura, pessoal e individual, estará apto a carregar os fardos de seu irmão. Apenas uma verdade: o individualismo radical resolve os problemas de uma comunidade quebrada (veja relacionados em Romanos 12:3-5 e 1 Coríntios 11:28).

Para Almas Individuais

3. Terceiro, considere que a palavra de Deus é crida e obedecida por almas individuais ou por ninguém. Só existe uma igreja corporativa porque indivíduos ouviram o evangelho e creram em seus próprios corações.

Pois com o coração se crê e é justificado, e com a boca se confessa e é salvo. Pois as escrituras dizem: "Todoque nele crê não será envergonhado". Pois não há distinção entre gregos e judeus; pois o mesmo Senhor é Senhor de todos, concedendo suas riquezas a todos que chamarem por ele. Pois "todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (Romanos 10:10-13).

Não há algo como ser salvo pela fé salvífica de outra pessoa. O momento em que nos unimos com Cristo e seu corpo é o momento do novo nascimento através da fé individual no evangelho (1 Pedro 1:23-35). Veja também 1 Coríntios 1:26-29 e Atos 13:47-48.

Assim Paulo entregou sua vida para apresentar a igreja "como uma virgem pura a Cristo " (2 Coríntios 11:2) "exortando a todos e ensinando a todos com toda a sabedoria, até que apresentemos a todos maduros em Cristo" (Colossenses 1:28; veja 1 Tessalonicenses 2:12). A beleza corporativa de Cristo é perseguida através da exortação, ensino e edificação de seus membros individuais.

Nossa Responsabilidade Final

4. Quarto, considere o que a Bíblia diz sobre a natureza radical da responsabilidade final e individual perante Deus.

Naqueles dias não se dirá mais: "Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se mancharam". Ao contrário, cada um morrerá por causa do seu próprio pecado. Os dentes de todo aquele que comer uvas verdes se mancharão (Jeremias 31:29-30).

Jeremias confronta a falta de ajuda de um pensamento corporativo perdido. Você não é meramente vítima de sua ancestralidade corporativa. Você é responsável ante Deus como um indivíduo. E isso pode ser visto de novo e de novo no Novo Testamento.

"Ele retribuirá a cada um conforme o seu procedimento" (Romanos 2:6). "Assim, cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus" (Romanos 14:12; veja 1 Coríntios 3:8,13; 4:5; 2 Coríntios 5:10).

Nosso Relacionamento Individual com Jesus

5. Finalmente, considere a doçura de nosso relacionamento individual com Jesus

Fui crucificado com Cristo. Já não sou eu quem vive, mas Cristo é quem vive em mim. E a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim (Gálatas 2:20).

Ele me amou. O abraço corporativo de Cristo à sua igreja será maravilhoso, mas ele não substituirá a isso. Este será adicionado àquele. E aquele será adicionado a este. Sua redenção de todo o universo não substituirá a isso. Este será adicionado àquele. E aquele será adicionado a este.

No fim, eu serei uma pedra viva junto a outras milhões em um lindo templo (1 Pedro 2:5). Mas eu também seguro uma pedra em minha mão que o próprio Jesus me deu pessoalmente. E o meu novo nome estará escrito nessa pedra. Nome que só Jesus e eu conhecemos (Apocalipse 2:17).

John Piper (@JohnPiper) is founder and teacher of desiringGod.org and chancellor of Bethlehem College & Seminary. For 33 years, he served as pastor of Bethlehem Baptist Church, Minneapolis, Minnesota. He is author of more than 50 books.