Duas Razões Pelas Quais o Amor Nos Protege do Engano

Duas Razões Pelas Quais o Amor Nos Protege do Engano

Na minha pregação domingo passado eu defendi, baseado em 2 João 1:5-7, que o amor entre os Cristãos é uma grande proteção contra o engano. João escreveu: "Amai-vos uns aos outros. . . . Porque já muitos enganadores saíram pelo mundo". Portanto eu entendo que o amor ajuda a nos proteger desses enganadores.

Disse que vejo quatro motivos em 2 João pelos quais o amor funciona desta maneira. Mas eu só tive tempo de descrever dois deles no sermão. Portanto, aqui estão os outros dois.

1. O amor leva todos os mandamentos de Deus a sério.

Versículo 6: "E o amor é este: que andemos segundo os seus mandamentos". João já havia dito isto em 1 João 5:2, "Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, se amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos".

Isso não significa que o amor não tenha afeição por pessoas. Mas significa que o amor tem uma direção clara de Deus. João concorda com Paulo que devemos "amar uns aos outros com amor fraternal" (Romanos 12:10). Mas o amor cristão é mais que afeição. É um carinho pelas pessoas que compartilham de um compromisso com todos os mandamentos de Deus que hoje se aplicam a nós.

Afeição Cristã é afeição e é Cristã. Possui um conteúdo Cristão. E também possui emoção. O que nos une a outros cristãos é que partilhamos uma lealdade sincera com o que Deus nos diz ser bom para as pessoas — seus mandamentos. Nós não inventamos as formas de amar. As aprendemos a partir da palavra de Deus.

Uma comunidade de pessoas que se amam desta maneira não será enganada facilmente. Por exemplo, quando sua cultura diz que a maneira de amar é apoiar o que chamam de casamento homossexual, a comunidade vai dizer: "Não, Deus sabe o que é bom para as pessoas. Vamos amar as pessoas do jeito dele". E o amor uns pelos outros aprofunda e adoça o compromisso da comunidade em permanecer unida em" todos os mandamentos "de Deus. Isto a protege de enganos.

2. O amor Cristão é baseado na Verdade que está "eternamente conosco".

João diz, “Eu [vos] amo em verdade, por causa da verdade que permanece em nós, e para sempre estará conosco” (2 João 1:2). O nosso amor um pelo outro se baseia em duas coisas: 1) a verdade permanece em você e em mim, e 2) a verdade estará com você e comigo para sempre.

Isso não é comum. Para mim significa que a verdade cristã é sempre mais do que convicções, que temos em nossas mentes e corações; a verdade também é o próprio Cristo — Verdade com V maiúsculo — que não é uma convicção em nossas mentes, mas uma pessoa real conosco para sempre na comunidade de amor. "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida" (João 14:6).

O que implica, então, que o meu amor por outros crentes está enraizado não só na nossa verdade compartilhada sobre Jesus, mas também na presença do próprio Jesus como a pessoa central desta comunhão. E, como tal, o que nos une em amor é o mais profundo afeto possível, compartilhado pelo nosso Tesouro supremo, Jesus Cristo.

Então, quando o engano nos tenta a vermos qualquer pessoa ou qualquer atividade ou qualquer tesouro como mais desejável do que Jesus, o próprio amor que temos uns pelos outros irá nos proteger deste engano, pois este amor é um afeto partilhado que temos por aquele que é mais desejável do que qualquer coisa que o engano possa oferecer.

John Piper (@JohnPiper) is founder and teacher of desiringGod.org and chancellor of Bethlehem College & Seminary. For 33 years, he served as pastor of Bethlehem Baptist Church, Minneapolis, Minnesota. He is author of more than 50 books.