EU SOU O QUE SOU

Êxodo 3:13-15,

Então, disse Moisés a Deus: Eis que quando vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? 14 E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. 15 E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração.

Nas onze mensagens que eu, se Deus quiser, pregarei entre hoje e o fim do ano, meu objetivo maior é propagar a paixão pela supremacia de Deus em todas as coisas para a alegria de todas as nações através de Jesus Cristo. Em outras palavras, meu alvo é exaltar tanto ao Deus Pai e ao Deus Filho, através de Deus Espírito, que vocês — e milhares através de vocês — serão movidos a se unir a mim em feliz adoração ao nosso Deus trino.

Sob esse abrangente alvo, meu objetivo é despertar e fortalecer uma forte convicção em vocês para que os últimos 30 anos de ministério aqui tenham sido para preparação e não consumação. Ou, colocando de outra forma, eu espero ajudá-los a ver e sentir que essa transição entre eu e Jason Meyer é pouco sobre aterrissagem e mais sobre decolagem. É pouco sobre as grandes coisas que Deus tem feito e mais sobre as coisas ainda maiores que Deus fará.

Portanto, pareceu-me bom, encorajado pela equipe pastoral, não simplesmente tentar passar por mais uns dois capítulos do Evangelho de João e deixar palavras pendentes alí pelo capítulo 17, mas antes focar nossa atenção em uma bateria de realidades fundacionais — verdades definitivas, marcas registradas dos nossos 30 anos, critérios bíblicos — que moldaram profundamente o que a igreja Bethlehem é por essas últimas três décadas.

Grandes Coisas Ainda Virão

A razão pela qual isso parece mais uma forma de decolagem do que pouso, e uma busca por preparação do que ponderar a consumação, e de persistir nas, ainda maiores, coisas que hão de vir do que protelar sobre as grandes coisas do passado, é que essas realidades fundacionais das quais quero falar são ferozmente indomáveis, explosivamente impossíveis de serem contidas e eletricamente capazes de criar um futuro. Elas não apenas sustentam o presente e explicam o passado. Elas estão vivas, ativas e sobrecarregadas de forma sobrenatural para levar essa igreja onde ela ainda nem sonhou, de formas que nós ainda nem sonhamos.

E eu devo deixar claro antes que eu inicie a decolagem com essas verdades explosivas, que eu tenho pequena dúvida em minha mente — e essa pequena dúvida na minha mente não é de Deus, mas da falta de Deus — de que a próxima etapa na vida da igreja Bethlehem será a maior que já vimos. Nós todos sabemos que vários ministérios prosperaram por décadas e se tornam significantes, e depois, com uma mudança na liderança, as coisas desmoronam, o impacto diminui, a esperança desvanece, a alegria se afasta e o ministério se reduz e talvez até morre. Tenho profunda convicção de que Deus não deixará isso acontecer aqui. Na verdade, se necessário, eu coloco minha vida nessa predição.

Eu digo isso, não para enchê-los de esperança artificial, mas por causa das realidades bíblicas e das evidências presentes do incrível favor de Deus em nós. A razão pela qual as bases bíblicas me dão essa esperança é que elas são tão profundamente compartilhadas por Jason Meyer, pelo Conselho de Anciãos e certamente por centenas e centenas de vocês. Nós não estamos passando por essa transição com qualquer ambiguidade sobre os compromissos bíblicos e teológicos da futura liderança. Há uma unidade profunda no que nós cremos e essas realidades são explosivas com poder para criar um futuro.

A Direção de Deus Nesse Dia

Mas não apenas isso, as evidências da graça, favor e direção de Deus estão sobre todos os eventos dos últimos 10 meses dessa transição. Aqueles de nós que presenciaram, do início, estão de boca aberta de admiração ao emergir de Jason Meyer e à esplêndida união da equipe, anciãos e ao discernimento congregacional sobre o seu chamado.

E não apenas isso, a mão de Deus está sobre Jason Meyer. Sim, as realidades bíblicas e as convicções teológicas unificadoras estão em vigor, e sim, tem havido uma surpreendente unicidade congregacional na afirmação do seu chamado, mas estou dizendo que há algo mais — algo indispensável. Deus chamou Jason para isso e pôs Sua mão sobre ele. Vocês têm visto algumas evidências disso. Aqueles de nós que o conhecemos há mais tempo e melhor vemos isso com ainda mais clareza.

Tudo isso junto é o motivo para eu dizer que nessa transição para a liderança do Jason, o impacto não irá diminuir, a esperança não irá desvanecer, a alegria não irá se afastar e o ministério dessa igreja e sua missão global não irão reduzir ou morrer. Em vez disso nós nos veremos em direção ao melhor período que o ministério dessa igreja já conheceu.

E então recorremos à essa bateria de realidades fundacionais — essas verdades definitivas, essas marcas registradas dos nossos 30 anos, esses critérios bíblicos — que moldaram a igreja Bethlehem por essas últimas três décadas. Essas realidades ferozmente indomáveis, explosivamente impossíveis de serem contidas e eletricamente capazes de criar um futuro.

Deus Absolutamente É

E a primeira é que Deus é. Ou para dizer como nosso texto diz, Deus é o que é. Ou ainda para dizer de forma mais filosófica, Deus absolutamente é. Esse é o fato mais básico e o mais definitivo. Ponto. Dos bilhões de fatos que existem, esse está em último e também em primeiro lugar. Ele é a base de todos os outros e também a consumação de todos eles. Nada é mais básico e nada é mais definitivo do que o fato de que Deus é.

Nada é mais fundamental para essa igreja do que Deus é. Nada é mais fundamental para sua vida, seu casamento, seu trabalho, sua saúde, sua mente ou seu futuro do que Deus é. Nada é mais fundamental para o mundo, o sistema solar, a Via Láctea ou para o universo do que Deus é. E nada é mais fundamental para a Bíblia, para a auto revelação de Deus e para a glória do evangelho de Jesus do que Deus é.

Entendendo Êxodo 3

Esse é o objetivo do texto de hoje em Êxodo 3:13-15. Então deixe-me definir o cenário para vocês. Por vários séculos o povo de Israel — o povo escolhido de Deus — tinha vivido como estrangeiro no Egito. E por muito tempo ele tinha sido tratado como escravo. Agora o tempo da libertação de Deus estava se aproximando. Uma criança judia nasce, chamada Moisés. Ele é resgatado providencialmente do decreto de morte pela filha de Faraó e criado na corte. Já adulto, ele defende um de seus compatriotas matando um Egípcio e foge para a terra de Midiã. E lá Deus aparece a ele em meio a uma sarça ardente, como lemos em Êxodo 3:6-10.

Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus. 7 E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores. 8 Portanto, desci para livrá-lo da mão dos egípcios e para fazê-lo subir daquela terra a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do ferezeu, e do heveu, e do jebuseu. 9 E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel chegou a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. 10 Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó, para que tires o meu povo, os filhos de Israel, do Egito.

Assim Moisés é o líder escolhido por Deus para libertar Seu povo da escravidão e leva-los à terra prometida. Mas ele recua. Bem como ele poderia — ou Jason poderia, ou vocês poderiam. Versículo 11: "Então, Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?" E Deus disse (versículo 12), "Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: quando houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus neste monte".

E depois Moisés nos conduz a uma das coisas mais importantes que Deus já disse. Que é o nosso texto, Êxodo 3:13-15.

Então, disse Moisés a Deus: Eis que quando vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? 14 E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. 15 E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR [Hebraico: "Yahweh"], o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente [Yahweh], e este é meu memorial de geração em geração.

Três Coisas Que Deus Diz Sobre Si Mesmo

Você me pergunta meu nome, Deus diz, Eu te direi três coisas. Primeira (versículo 14) "E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU". Ele não disse que esse era o Seu nome. Ele disse, na realidade: Antes de você se preocupar com Meu nome, onde Eu fico em meio aos muitos deuses do Egito, da Babilônia ou da Filisteia, e antes que você se pergunte sobre como Me conjurar pelo Meu nome, e mesmo antes que você se pergunte se EU SOU o Deus de Abraão, fique espantado com isso: "EU SOU O QUE SOU". Eu absolutamente Sou. Antes que conheça Meu nome, entenda quem Eu Sou. Que EU SOU O QUE SOU — que Eu absolutamente Sou — é primário, fundamental e de infinita importância.

Segunda (versículo 14b) "Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós". Aqui Ele ainda não havia dito Seu nome a Moisés. Ele está construindo uma ponte entre quem Ele é e o Seu nome. Aqui Ele simplesmente põe a afirmação de Seu ser no lugar de Seu nome. Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós". Aquele Que É — Que absolutamente É — me enviou a vós.

Terceira (versículo 15) "E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR [Hebraico: "Yahweh"], o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente [Yahweh]. Finalmente Ele nos diz o Seu nome. É quase sempre traduzido Senhor (tudo maiúsculo) nas bíblias em português. Mas no Hebraico seria pronunciado algo como "Yahweh", e é formado pela palavra para "EU SOU". Portanto sempre que ouvirmos a palavra Yahweh (ou a forma curta Yah, que você ouve toda vez que canta "alelu-ia", "louve Yahweh"), ou toda vez que você vê Senhor nas bíblias em português você deve pensar: esse é um nome próprio (como Pedro, Tiago ou João) formado a partir da palavra para “EU SOU” e que nos lembra a todo tempo que Deus absolutamente É.

Uma Verdade Extraordinária

Isso é extraordinário. Deus Se deu um nome (usado mais de 4.000 vezes no Velho Testamento) que nos força, quando o ouvimos, a pensar que Ele É. Ele absolutamente É. Ele É absoluto.

Essa é a primeira da bateria de realidades fundacionais — verdades definitivas, marcas registradas dos nossos 30 anos, critérios bíblicos — que marcaram a igreja Bethlehem por três décadas. Nós estamos encantados pelo simples fato de que Deus É. Que "Ele É o que É". Que Ele absolutamente É. Essa é a primeira das realidades ferozmente indomáveis, explosivamente impossíveis de serem contidas e eletricamente capazes de criar um futuro que nós adotamos.

Um povo que está maravilhado por que Deus É será um povo irreprimível. Nosso Deus trino ama estar presente com gracioso poder onde o povo está encantado pelo fato de que Ele É.

Dez Coisas Que Significam para Deus Ser Quem Ele É

Isto é o que significa para Deus ser Quem Ele É:

1. O ser absoluto de Deus significa que Ele nunca teve um início. Isso confunde a cabeça. Toda criança pergunta, "Quem fez Deus?" E todo pai sábio diz, "Ninguém fez Deus. Deus simplesmente É. E sempre Foi. Sem início".

2. O ser absoluto de Deus significa que Deus nunca acabará. Se Ele não veio a ser, Ele não pode deixar de ser, porque Ele está Sendo. Ele É o Que É. Não há lugar fora do ser. Só há Ele. Antes da criação, tudo que há é: Deus.

3. O ser absoluto de Deus significa que Deus é realidade absoluta. Não há realidade antes dEle. Não há realidade fora dEle a não ser que Ele queira e faça. Ele não é uma das muitas realidades antes da criação. Ele simplesmente está lá como realidade absoluta. Ele é tudo que era eternamente. Sem espaço, sem universo, sem vazio. Somente Deus. Absolutamente lá. Absolutamente tudo.

4. O ser absoluto de Deus significa que Deus é completamente independente. Ele não depende de nada para trazê-Lo à existência, para ajudá-Lo, aconselhá-Lo ou fazê-Lo o que Ele é. Isso é o que a palavra "absoluto" significa.

5. O ser absoluto de Deus significa que na verdade tudo que não é Deus depende totalmente de Deus. Tudo que não é Deus é secundário, é dependente. Todo o universo é totalmente secundário. Não primário. Ele veio a existir por Deus e continua existindo a cada momento por decisão de Deus de que ele continue existindo.

6. O ser absoluto de Deus significa que todo o universo não é nada comparado a Deus. A realidade contingente, dependente é para a realidade absoluta, independente assim como a sombra é para a matéria. Como um eco é para um trovão. Como uma bolha é para com o oceano. Tudo o que vemos, tudo o que nos maravilha no mundo e nas galáxias não é nada, comparado a Deus. "Todas as nações são como nada perante ele; ele considera-as menos do que nada e como uma coisa vã". (Isaías 40:17).

7. O ser absoluto de Deus significa que Deus é constante. Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre. Ele não pode ser melhorado. Ele não está Se tornando alguma coisa. Ele é o que é. Não há evolução em Deus. Não há progresso. Perfeição absoluta não pode ser melhorada.

8. O ser absoluto de Deus significa que Ele é o padrão absoluto da verdade, bondade e beleza. Não há um livro de leis que Ele consulte para saber o que é certo. Nenhum almanaque para estabelecer os fatos. Nenhuma corporação para determinar o que é excelente ou belo. Ele mesmo é o padrão do que é certo, do que é verdadeiro, do que é belo.

9. O ser absoluto de Deus significa que Deus faz o que Ele quer e Ele está sempre certo, sempre belo e sempre de acordo com a verdade. Não há nenhuma coação externa sobre Ele que possa impedí-Lo de fazer o que Ele queira. Toda realidade que está fora dEle, Ele criou, projetou e governa como a realidade absoluta. Portanto Ele é totalmente livre de qualquer coação que não seja originada na própria intenção de Sua vontade.

10. O ser absoluto de Deus significa que Ele é a realidade mais importante e mais valorosa, e que Ele é a pessoa mais importante e mais valorosa do universo. Ele é mais digno de interesse, atenção, admiração e satisfação do que todas as outras realidades, incluindo todo o universo.

Aos Pastores da Igreja Bethlehem

É nisto que cremos. Deus é. Isso é a realidade ferozmente indomável, explosivamente impossível de ser contida e eletricamente capaz de criar um futuro — que Deus é. Escrevi uma devocional para a equipe pastoral em agosto sobre esse tópico e cheguei a essa conclusão:

Portanto, é uma afronta cósmica bilhões de vezes que Deus seja ignorado, tratado como insignificante, questionado, criticado, tratado como sendo virtualmente nada e sendo menos considerado que o carpete das casas das pessoas.

Sendo Ele a realidade mais significante que existe, nada é realmente conhecido fora de sua relação com Ele. Ele é a fonte, o objetivo e o definidor de todos os seres e de todas as coisas.

Nós seremos, portanto, um povo apaixonado por Deus. Conhecê-Lo, admirá-Lo e fazê-Lo conhecido como glorioso é a paixão que nos impulsiona. Ele é simplesmente, esmagadoramente dominante em nossa consciência. Tudo estará relacionado a Ele.

Nós existimos para espalhar a paixão pela supremacia de Deus!

Nunca, Nunca, Nunca

Com a ajuda de Deus, nós não blasfemaremos contra esse Deus presumindo-O, tornando-O periférico ou assumindo-O como fundação de todas as coisas quando, na verdade, são as "coisas" que realmente nos interessam. Nós receamos cair sob o criticismo de Albert Einstein que Charles Misner escreveu há uns vinte anos atrás:

Eu vejo sim a criação do universo como uma questão essencialmente religiosa. Ou seja, deve-se ter algum respeito e admiração pelo negócio todo... Ele é muito magnífico e não deveria ser dado como certo. De fato, creio que esse seja o motivo pelo qual Einstein teve tão pouco uso da religião organizada, embora ele me pareça basicamente um homem muito religioso. Ele deve ter visto o que os pregadores diziam de Deus e achado que eles estavam blasfemando. Ele tinha visto muito mais majestade do que eles podiam imaginar e eles simplesmente não estavam falando da coisa certa. (Citado em First Things, Dez. 1991, No. 18, 63)

Quando li isso eu disse, "Ó Deus, nunca, nunca deixe isso acontecer na igreja Bethlehem". Jason e eu cremos com todo nosso coração que existem milhares de pessoas nas Cidades Gêmeas e bilhões no mundo que anseiam conhecer o verdadeiro e vivo Deus que absolutamente é. E vocês, Jason e eu conhecemos as boas novas de que esse Deus enviou Seu Filho ao mundo para morrer por pecadores que minimizam a Deus como nós para que todo aquele que crê em Cristo possa conhecer a esse Deus com alegria para sempre. Portanto nós conhecemos nosso chamado. Nós existimos para disseminar a paixão pelo Deus que absolutamente é.

É nisso que estivemos. É nisso que prosseguiremos. Indomável e impossível de ser contida, essa é uma realidade eletricamente capaz de criar um futuro. “EU SOU O QUE SOU.” Deus absolutamente é.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For Internet posting, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org