Continuar Casado Não se Baseia em Continuar Apaixonado, Parte 2

Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea. 19 Havendo, pois, o SENHOR Deus formado da terra todos os animais do campo e todas as aves dos céus, trouxe-os ao homem, para ver como este lhes chamaria; e o nome que o homem desse a todos os seres viventes, esse seria o nome deles. 20 Deu nome o homem a todos os animais domésticos, às aves dos céus e a todos os animais selváticos; para o homem, todavia, não se achava uma auxiliadora que lhe fosse idônea. 21 Então, o SENHOR Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne. 22 E a costela que o SENHOR Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe. 23 E disse o homem: Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne; chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada. 24 Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. 25 Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam.

Casamento e o Evangelho

O casamento é mais maravilhoso do que todo mundo pensa. E as razões pelas quais ele é maravilhoso só podem ser aprendidas por revelação especial de Deus e só podem ser apreciadas pela obra do Espírito Santo em nos possibilitar ver e abraçar esta maravilha. O motivo de precisarmos da ajuda do Espírito é que a maravilha do casamento é entretecida no evangelho da cruz de Cristo, e a mensagem da cruz é tolice para o homem natural, e, então, o sentido do casamento é tolice para o homem natural (1 Coríntios 2:14). Por exemplo, o ateísta Richard Dawkins disse no último outono,

Eu dou... argumentos convincentes contra um designer inteligente sobrenatural. Mas isso me parece um ideia digna. Refutável — mas grande e formidável o suficiente para ser digna de respeito. Eu não vejo deuses olímpicos ou Jesus descendo e morrendo na cruz como dignos dessa grandeza. Eles me dão a impressão de ser provincianos.

Essas são as palavras trágicas do "homem natural". Aqueles que consideram Cristo e sua incarnação, morte, ressurreição e senhorio sobre todo o universo mantendo-o com a palavra de seu poder (Hebreus 1:3; Colossenses 1:16-17), como provinciano não verão a maravilha do casamento composta no evangelho. Mas, pela graça você talvez veja. Eu oro para que veja. Eu acredito que Deus vai revelar isso para ti se você olhar fielmente para a revelação disso na palavra de Deus e buscar ajuda do Espírito Santo para te possibilitar ver e saborear a glória de Deus e sua aliança comprada no sangue com a igreja, a qual é refletida no casamento.

Casamento É Obra De Deus Para A Glória de Deus

Semana passada, vimos que a afirmação mais fundamental que podemos fazer sobre o casamento é que ele é obra de Deus. E a afirmação mais derradeira que podemos fazer sobre o casamento é que ele é a vitrine de Deus. A razão de ser a vitrine de Deus é que, em Cristo, Deus fez uma nova aliança com seu povo. Nela, ele promete perdoar, justificar e glorificar todos que se arrependerem do pecado e receberem Cristo como Salvador, Senhor e supremo Tesouro de suas vidas. O casamento entre um homem e uma mulher foi projetado desde o começo para ser o reflexo e exposição desse relacionamento de aliança.

Esse é o motivo de Paulo citar Gênesis 2:24 — "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" — e então dizer:"Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja." (Efésios 5:31-32). Deixar os pais e unir-se a uma esposa, formando uma nova união de uma só carne, foi designado desde o início para expor essa nova aliança — Cristo deixando seu Pai e levando a igreja como noiva, ao custo de sua própria vida, e unindo-se a ela em uma união de um só Espírito para sempre (1 Coríntios 6:17).

Então, eu concluí que continuar casado não se baseia em continuar apaixonado. Tem a ver com manter uma aliança. Se um cônjuge se apaixona por outra pessoa, uma resposta profundamente legítima do cônjuge afligido e da igreja é: "E daí? Mantenha a sua aliança." Agora é hora de investigar mais profundamente o que a manutenção da aliança é e o que ela significa.

Nus e Não se Envergonhavam

Para nos ajudar, e assentar uma fundação mais ampla, vamos ao verso no nosso texto que não comentamos semana passada. Gênesis 2:25: "Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam." Qual é o foco nesse verso? Considere estas duas razões possíveis pelas quais eles não estavam envergonhados. Primeiro, é a razão de que ambos tinham corpos perfeitos. Então, uma vez que a aparência era perfeita, eles não tinham medo algum de que o seu cônjuge iria desaprová-la. Em outras palavras, sua liberdade da vergonha era porque eles não tinham absolutamente nada para se envergonhar. Era esse o ponto principal?

Certamente é uma observação verdadeira. Quando Deus criou o homem, ele disse que sua criação era "muito boa" (Gênesis 1:31). Então, o homem e a mulher eram perfeitamente bonitos e elegantes. Não tinham falha nem mácula. Mas é esse o ponto principal de Gênesis 2:25? Eu duvido. Por três razões.

Não Por Causa de Corpos Perfeitos

Primeiro, não importa quão bonito e elegante seu cônjuge é, se você é mal-humorado, egoísta ou cruel, você pode fazer comentários de um jeito que envergonhe a outra pessoa. Não estar envergonhado em um casamento requer mais do que ser fisicamente perfeito; quem está olhando para você tem que ser moralmente correto e gracioso.

Segundo, Gênesis 2:24-25 tem a intenção de dar sabedoria fundamental para o casamento muito depois da queda do homem no pecado. Podemos ver isso pelo jeito que Jesus usa o verso 24. Então, não me parece que o ponto principal apenas se relacionaria a situação antes da queda, a saber, a perfeição dos corpos.

Terceiro, verso 24 cria o relacionamento onde o verso 25 pode acontecer. E a ênfase está no compromisso de aliança. Esses dois estão se unindo em uma união de uma só carne que não é um experimento. É uma nova união de compromisso. Isso é o que cria o contexto para um casamento livre de vergonha — não sua beleza perfeita.

Por Causa do Amor de Aliança

Então, considere uma segunda possibilidade pela qual eles estão nus e não se envergonham. Minha sugestão é que a ênfase não está na liberdade da imperfeição física, mas na plenitude do amor de aliança. Em outras palavras, eu posso estar livre da vergonha por duas razões. Uma é que eu sou perfeito e não tenho do que me envergonhar, e a outra é que eu sou imperfeito, mas eu não tenho medo de ser desaprovado pelo meu cônjuge. O primeiro jeito de ser livre de vergonha é ser perfeito; o segundo jeito de ser livre da vergonha é baseado na natureza graciosa do amor de aliança. No primeiro caso, não há vergonha porque somos infalíveis. No segundo caso, não há vergonha porque o amor de aliança cobre uma multidão de falhas. (1 Pedro 4:8; 1 Coríntios 13:5).

Eu sei que em Gênesis 2:25 a queda no pecado ainda não aconteceu. Então, não existem falhas a serem cobertas. Mas, meu ponto é que o verso 25 flui do verso 24 porque o relacionamento de aliança estabelecido pelo casamento é projetado desde o início para ser a fundação principal da liberdade da vergonha. De comum acordo, até que o pecado viesse no mundo, e todos os tipos de falhas vieram junto, Adão e Eva não tinham exercitado seu amor de aliança para cobrir algum pecado e falhas um do outro. Mas aquele era o projeto de Deus. O casamento foi projetado desde o início para mostrar Cristo e a igreja, e a essência da nova aliança é que Cristo perdoa os pecados da sua noiva. Sua noiva é livre da vergonha não porque ela é perfeita, mas porque ela não tem medo de que o noivo irá condená-la ou envergonhá-la por causa de algum pecado dela. Esse é o motivo de a doutrina da justificação estar bem no coração do que faz o casamento funcionar. Isso cria paz com Deus verticalmente, apesar do nosso pecado. E quando experimentado horizontalmente, cria paz livre de vergonha entre um homem imperfeito e uma mulher imperfeita. Eu espero abordar mais disso semana que vem.

Declarando Independência

Mas primeiro nós precisamos terminar de olhar o que esse texto tem a dizer sobre nudez e vergonha. Em Gênesis 2:17, Deus disse a Adão: "mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás." Eu considero o "conhecimento do bem e do mal" como referência a um status de independência de Deus em que Adão e Eva decidiriam por si mesmos, à parte de Deus, sobre o que era bom e o que era mau. Assim, comer daquela árvore significava uma declaração de independência de Deus.

Em Gênesis 3:5-6, isto é o que acontece:

[O tentador diz:] " Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal." Então, quando a mulher viu que aquela árvore era boa para comer, agradável aos olhos e que era para desejável para tornar alguém sábio, pegou do fruto e comeu, e ela também deu uma parte para seu marido, que estava com ela, e ele comeu.

O primeiro efeito desta rebelião contra Deus e esta declaração de independência é lembrada no verso 7: "Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si." O que isso significa?

De repente, eles estão conscientes a respeito de seus corpos. Antes da rebelião contra Deus não havia vergonha. Agora, evidentemente, existe vergonha. Por quê? Não há razão de pensar que era porque de repente eles se tornaram feios. Não é o foco do texto. Sua beleza não foi o foco em Gênesis 2:25, e sua feiura não é o foco aqui em 3:7. Por que, então, a vergonha? Porque a fundação do amor que mantém a aliança entrou em colapso. E com isso, a doce e totalmente confiante segurança do casamento desapareceu para sempre.

A Fundação do Amor que Mantém a Aliança

A fundação do amor que mantém a aliança entre um homem e uma mulher é a aliança não quebrada entre eles e Deus — Deus os governando para seu bem e eles apreciando-O nessa segurança e confiando nele. Quando eles comeram da árvore do conhecimento do bem e do mal, a aliança foi quebrada e a fundação da manutenção de sua aliança entrou em colapso.

Eles experimentaram isso imediatamente na corrupção de seu amor de aliança um pelo outro. Isso aconteceu de duas formas. E nós experimentamos isso hoje nessas mesmas duas formas. E ambas estão relacionadas à experiência da vergonha. No primeiro caso, quem está vendo a minha nudez não é mais digno de confiança; então estou com medo de que serei envergonhado. No segundo caso, eu mesmo não estou mais em paz com Deus, mas eu me sinto culpado, sujo e indigno — eu mereço ser envergonhado. Pense sobre isto por um tempo.

Vulnerabilidade À Vergonha

No primeiro caso, estou consciente de meu corpo e sinto-me vulnerável à vergonha porque sei que Eva tem escolhido ser independente de Deus. Ela tem feito de si mesma central no lugar de Deus. Ela é essencialmente uma pessoa egoísta. Desse dia em diante, ela vai se colocar em primeiro e os outros por último. Não é mais uma serva. Então, ela não é confiável. E eu sinto-me vulnerável ao redor dela, porque ela é do tipo que me coloca para baixo se isto a colocar para cima. Então, de repente, minha nudez é precária. Eu não confio nela mais para me amar com o amor puro que mantém a aliança. Isto é uma fonte de vergonha e auto-consciência.

A Aliança Quebrada com Deus

A outra fonte é que Adão mesmo, não apenas sua esposa, quebrou a aliança com Deus. Se ela é rebelde, egoísta e, portanto, insegura, eu também. Mas o modo que experimento isso em mim é que eu me sinto sujo, culpado e indigno. Isso está de fato o que eu sou. Antes da queda, o que é e o que deveria ser eram a mesma coisa. Mas, agora o que é e o que deveria ser não são a mesma coisa. Eu deveria ser humilde e alegremente obediente a Deus. Mas não sou. A diferença entre o que eu sou e o que eu deveria ser colore tudo a respeito de mim — incluindo como me sinto sobre meu corpo. Então minha esposa pode ser a pessoa mais confiável do mundo, mas agora meu próprio senso de culpa e indignidade me faz sentir vulnerável. A nudez simples e aberta da inocência agora parece inconsistente com a pessoa culpada que eu sou. Sinto-me envergonhado.

Então, a vergonha da nudez se levanta de duas fontes e ambas se devem ao colapso da fundação do amor de aliança no nosso relacionamento com Deus. Uma é que Eva não é mais confiável para me apreciar; ela se tornou egoísta e eu me sinto vulnerável de que ela vá me colocar para baixo por causa de seu próprio egoísmo. A outra é que eu já sei que sou culpado e a nudez da inocência contradiz minha indignidade — eu me sinto envergonhado disso.

Eles Mesmos se Vestiram

Gênesis 3:7 diz que eles tentaram enfrentar essa situação se vestindo: "Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si." Então em Gênesis 3:21, Deus fez roupas melhores para eles da pele de animais: "Fez o SENHOR Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu." O que podemos aprender?

O esforço de Adão e Eva de se vestirem por si mesmos era um esforço egoísta de esconder o que tinha realmente acontecido. Eles foram e tentaram se esconder de Deus (Gênesis 3:8). Eles não eram mais inocentes, porém eram rebeldes contra Deus. Sua nudez era muito reveladora e muito vulnerável. Eles tentaram fechar a lacuna entre o que eles eram e o que eles deveriam ser cobrindo o que eram e apresentando-se de um novo modo. Do ponto de vista deles, isso era a origem da hipocrisia. E foi a primeira tentativa — totalmente sem sucesso — de tapar o sol com a peneira.

Então Deus Os Vestiu

Então, o que significa que Deus os vestiu com peles de animais? Estava ele confirmando a hipocrisia? Estava ele ajudando-os a fazer algo ilícito? Se eles estavam nus e livres de vergonha antes da queda, e se colocaram roupas para minimizar a vergonha depois da queda, então o que Deus está fazendo ao vesti-los até melhor do que eles mesmos poderiam? Eu penso que a resposta é que ele estava fazendo algo com uma mensagem negativa e algo com uma mensagem positiva.

Negativamente, ele está dizendo: Vocês não são mais quem vocês eram nem o que deveriam ser. O hiato entre o que vocês são e o que deveriam ser é enorme. Cobrir-se com roupas é uma resposta certa — não para esconder isso, mas sim para confessar isto. Daqui em diante, vocês vestirão roupas, não para esconder o que deveriam ser, mas para confessar que vocês não são o que deveriam ser. Uma implicação prática disso é que nudez pública hoje não é um retorno a inocência, mas rebelião contra a realidade moral. Deus ordena roupas para testemunhar a glória que perdemos, e é rebelião adicional jogá-las fora.

E para aqueles que se rebelam em outra direção e fazem das suas roupas um meio de poder, prestígio e de chamar atenção, a resposta de Deus não é um retorno a nudez, mas um retorno a simplicidade (1 Timóteo 2:9-10; 1 Pedro 3:4-5). Roupas não foram feitas para as pessoas pensarem sobre o que está debaixo delas. Roupas foram feitas para dirigir atenção para o que não está debaixo delas. Braços e mãos que servem outros em nome de Cristo, pés "formosos" que levam o evangelho onde é necessário e o brilho de uma face que tem contemplado a glória de Jesus.

O Significado de Vestir

Agora nós já passamos pelo significado mais positivo de vestir que Deus tinha em mente quando ele vestiu Adão e Eva com peles de animais. Isso não era apenas um testemunho da glória que foi perdida e uma confissão que não somos o que deveríamos ser, porém isso também é um testemunho de que Deus mesmo faria de nós, um dia, o que deveríamos ser. Deus rejeitou o vestir-se próprio deles. Então, ele mesmo o fez. Ele mostrou misericórdia com roupas melhores. Junto com outros sinais esperançosos no contexto (como a derrota da serpente em 3:15), a misericórdia de Deus aponta para o dia em que ele vai resolver o problema da vergonha deles decisiva e permanentemente. Ele o fará com o sangue do seu próprio filho (como aparentemente foi derramado sangue pela morte dos animais das peles). E ele vai fazer isso com roupas de justiça e o esplendor de sua glória (Gálatas 3:27; Filipenses 3:21).

Isso significa que nossas roupas são um testemunho tanto para a nossa falha do passada e presente, quanto para a nossa glória futura. Elas testificam o hiato entre o que somos e o que deveríamos ser. E elas testificam da intenção misericordiosa de Deus de fazer uma ponte para esse hiato por meio de Jesus Cristo e sua morte pelos nossos pecados. Ele vai resolver o problema do medo, orgulho, egoísmo e vergonha entre homem e mulher com sua aliança comprada pelo sangue.

Casamento É Uma Vitrine Do Evangelho

O casamento foi feito para ser uma exposição dessa aliança e do evangelho. Portanto, o que vamos ver na próxima vez, se Deus quiser, é como o marido e a esposa incorporam o evangelho da nova aliança da justificação pela fé e então criam um novo seguro e sagrado lugar onde pode ser dito novamente: o homem e sua mulher estavam nus e não se envergonhavam.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org