A Soberania de Deus: "Meu Conselho Permanecerá de Pé, Farei Toda a Minha Vontade"

Isaías 46:8-11,

Lembrai-vos disto e tende ânimo; tomai-o a sério, ó prevaricadores. 9 Lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade: que eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim; 10 que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade; 11 que chamo a ave de rapina desde o Oriente e de uma terra longínqua, o homem do meu conselho. Eu o disse, eu também o cumprirei; tomei este propósito, também o executarei.

Uma das marcas teológicas mais fundamentais de todos os 30 anos da Bethlehem é a inestimável verdade da soberania de Deus. Vamos diretamente ao nosso texto a fim de não trazermos à luz nada que não venha da Palavra de Deus. Este assunto é de tamanha importância e toca em tantas realidades dolorosas, que nós não ousamos crer em nós mesmos para trazer alguma verdade que não seja dita pelo próprio Deus.

Em Isaías 46:9 Deus diz, "Eu sou Deus, e não há outro; eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim." Portanto, a questão neste texto é a singularidade de Deus dentre todos os seres do universo. Ele é o único ser de uma classe à parte. Nenhum outro é como ele. A questão é o que significa ser Deus. Quando algo está acontecendo, sendo dito ou pensado, e Deus responde, "Eu sou Deus!" (que é o que Ele faz no verso 9), o ponto é: Vocês estão agindo como se não soubessem o que significa Eu ser Deus.

O Que Significa Ser Deus

Então ele lhes diz o que é ser o primeiro e único Deus. Ele lhes diz o que está no centro da sua divindade. Verso 10: Para mim, ser Deus quer dizer que "desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam." Duas declarações: Primeira, Eu anuncio como as coisas sucederão muito antes que ocorram. Segunda, Eu anuncio não apenas os eventos naturais, mas também os humanos— feitos, coisas que ainda não foram realizadas. Verso 10: "Eu anuncio desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam." Eu sei que feitos serão estes muito antes que sejam realizados.

A esta altura você poderá dizer que o que temos aqui é a doutrina da presciência de Deus, e não a doutrina da sua soberania. E isto está correto até agora. No entanto, na próxima metade do versículo, Deus nos diz como ele conhece antecipadamente o fim e como ele conhece antecipadamente as coisas que ainda não foram realizadas. Verso 10b: "desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade." Quando ele "anuncia" antecipadamente o que haverá de acontecer, eis como ele o "anuncia", ou "diz": "digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade."

Em outras palavras, a forma como ele declara sua presciência é anunciando seu prévio conselho e seu prévio propósito. Quando Deus anuncia o fim muito antes que ele ocorra, o que ele diz é: "o meu conselho permanecerá de pé." E quando Deus anuncia coisas ainda não realizadas muito antes que aconteçam, o que ele diz é: "farei toda a minha vontade."

E isto significa que a razão pela qual Deus conhece o futuro é porque ele planeja o futuro e o realiza. O futuro é o conselho de Deus sendo estabelecido. O futuro é o propósito de Deus sendo cumprido por Deus. E então, o verso seguinte, verso 11b, nos dá uma clara confirmação de que isto é o que ele quer dizer: "Eu o disse, eu também o cumprirei; tomei este propósito, também o executarei." Em outras palavras, a razão pela qual minhas predições se realizam é porque elas são o meu propósito, e porque Eu mesmo as realizo.

Deus Tem Propósitos Para Todas as Coisas

Deus não é um adivinho, vidente, ou mero prognosticador. Ele não tem uma bola de cristal. Ele sabe o que virá porque ele planeja o que virá e ele realiza aquilo que planeja. Verso 10b: 'meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade.' Ele não estabelece propósitos e fica imaginando se outra pessoa assumirá a responsabilidade de cumpri-los. "Farei toda a minha vontade."

Desta forma, com base neste texto, eis o que quero dizer quanto à soberania de Deus: Deus possui a legítima autoridade, a liberdade, a sabedoria e o poder para fazer acontecer tudo quanto ele pretende que aconteça. E, portanto, tudo que ele pretende que aconteça, de fato acontece. O que significa: Deus planeja e governa todas as coisas.

Quando ele diz, “Farei toda a minha vontade,” ele quer dizer, “Nada acontece fora do meu propósito.” Se algo acontecesse sem que Deus tivesse pretendido que acontecesse, ele diria, “Não foi isto que pretendi que acontecesse.” Então perguntaríamos, “O que o Senhor quis que acontecesse?” E ele diria, “Eu designei que esta outra coisa acontecesse, o que não ocorreu." Ao que nós responderíamos, então, "Mas o Senhor disse em Isaías 46:10, "Farei toda a minha vontade." E ele diria, "Está correto." Portanto, o que Deus quer dizer em Isaías 46:10 é que nada jamais aconteceu, ou acontecerá que Deus não tenha designado que acontecesse. Ou colocando de forma positiva: Tudo o que já aconteceu ou irá acontecer é designado por Deus para acontecer.

Agora, se isto pareceu um pouco complicado, façamos algo mais simples. Vamos confirmar esta visão a respeito da soberania de Deus olhando algumas outras passagens das Escrituras.

Uma Declaração Sobre a Soberania

Mas antes que façamos isto, deixe-me ler algo da Declaração de Fé dos Oficiais da Bethlehem Baptist Church para que você não pense que estou expressando apenas minhas opiniões pessoais. Estou simplesmente expressando e endossando uma doutrina à qual os oficiais desta igreja dão sua sincera asserção.

3.1 Nós cremos que Deus, desde a eternidade, para mostrar toda a extensão da sua glória para o regozijo eterno e crescente de todos os que o amam, ordenou e previu, pelo mais sábio e santo conselho de sua vontade, livremente e imutavelmente, tudo o que venha a acontecer.

3.2 Nós cremos que Deus sustenta e governa todas as coisas - desde galáxias até partículas subatômicas, das forças da natureza ao mover das nações, e dos planos públicos dos políticos até os atos secretos de pessoas solitárias - tudo de acordo com seus eternos e perfeitamente sábios propósitos de glorificar a si mesmo, porém, de forma que ele nunca peque, nem condene injustamente uma pessoa; mas que o seu ordenar e governar todas as coisas seja compatível com a responsabilidade moral de todas as pessoas que ele criou à sua imagem.

3.3 Nós cremos que a eleição de Deus é um ato incondicional de livre graça, que foi outorgado através de seu Filho Jesus Cristo antes que o mundo fosse formado. Por meio deste ato, Deus escolheu, antes da fundação do mundo, aqueles que seriam libertos da escravidão do pecado e trazidos ao arrependimento e fé salvadora em seu Filho Jesus Cristo.

Então, é desta forma que a soberania de Deus é expressa em nossa Declaração de Fé dos Oficiais. Agora, considere comigo o alcance do suporte disto na Bíblia, e então, algumas implicações finais, e o motivo pelo qual isto nos é tão precioso.

Encarando Uma Questão Crucial

Quando eu acabar, você deverá estar completamente dominado pela extensão da soberania de Deus — eu, pelo menos, estou. E nós vamos encarar uma escolha: será que deixaremos nossas objeções, e louvaremos sua graça e poder, e nos curvaremos com grata submissão à absoluta soberania de Deus? Ou endureceremos a cerviz e o resistiremos? Será que veremos na soberania de Deus nossa única esperança para a vida em nosso desalento, nossa única esperança de resposta às nossas orações, nossa única esperança de sucesso no evangelismo, nossa única esperança de significado em nosso sofrimento? Ou insistiremos que existe uma esperança melhor, ou nenhuma esperança? Esta é a questão que vamos encarar.

Que seja dito em alto e bom som que nada do que você ouvirá agora, por mais paradoxal que possa parecer às nossas mentes finitas, contradiz a verdadeira responsabilidade moral que humanos, anjos e demônios tem de fazer o que Deus ordena. Deus nos deu vontade. Como a usamos é que faz a diferença eterna.

Vamos dividir a soberania de Deus em seu governo sobre os eventos naturais de um lado, e os eventos humanos, de outro. No primeiro caso, ele está governando processos físicos. E, no segundo, está governando decisões humanas.

A Soberania de Deus Sobre a Natureza

Ele é soberano sobre o que parece ser mais aleatório neste mundo. Provérbios 16:33, "​A sorte se lança no regaço, mas do SENHOR procede toda decisão." Em linguagem atual nós diríamos, "Os dados rolam sobre a mesa e cada jogada é decidida por Deus." Não há eventos pequenos demais que ele não governe para os seus propósitos. "​Não se vendem dois pardais por um asse?", disse Jesus, "E nenhum deles cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai. E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados" (Mateus 10:29-30). Cada jogada de dados em Las Vegas, cada passarinho que cai morto nas milhares de florestas — tudo isto são ordens de Deus.

Dos vermes no solo às estrelas das galáxias, Deus governa o mundo natural. No livro de Jonas, Deus ordena que um peixe engula (1:17), Deus ordena que uma planta cresça (4:6), e ordena que um verme a extermine (4:7). E muito acima das vidas dos vermes, as estrelas tomam seus lugares e lá se mantém ao comando de Deus. Isaías 40:26, "​Levantai ao alto os olhos e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais ele chama pelo nome; por ser ele grande em força e forte em poder, nem uma só vem a faltar."

Quanto mais, então, os eventos naturais deste mundo — desde o clima até os desastres, as doenças, as deficiências e à morte.

Salmo 147:15 em diante, "Ele envia as suas ordens à terra, e sua palavra corre velozmente; dá a neve como lã e espalha a geada como cinza. Ele arroja o seu gelo em migalhas; quem resiste ao seu frio? Manda a sua palavra e o derrete; faz soprar o vento, e as águas correm." Jó 37:11-13, "Também de umidade carrega as densas nuvens, nuvens que espargem os relâmpagos. Então, elas, segundo o rumo que ele dá, se espalham para uma e outra direção, para fazerem tudo o que lhes ordena sobre a redondeza da terra. E tudo isso faz ele vir para disciplina, se convém à terra, ou para exercer a sua misericórdia."

Os Ventos Poderiam Ter Cessado

Sendo assim, a neve, a chuva, o frio, o calor e o vento são todos obras de Deus. Então quando Jesus se encontra no meio de uma furiosa tempestade, ele simplesmente diz, "Cala-te, aquieta-te!" O vento se aquietou, e fez-se grande bonança (Marcos 4:39). Não há vento, nem tempestade, nem furação, nem ciclone, nem tufão, nem monções, nem tornados sobre os quais Jesus possa dizer "Aquieta-te", que não o obedeçam. Significa, então, que se eles ocorrem, ele assim deseja que aconteça. "Sucederá algum mal à cidade, sem que o SENHOR o tenha feito?" (Amós 3:6). Tudo o que Jesus precisaria ter feito com o furacão Sandy na semana passada era ter dito, "Aquieta-te", e não haveria dano algum e nenhuma vida teria se perdido.

E quanto aos outros sofrimentos desta vida? "Respondeu o Senhor a Moisés: Quem fez a boca do homem? Ou quem faz o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o SENHOR? (Êxodo 4:11). E Pedro disse aos santos em sofrimento na Ásia Menor, "​Os que sofrem segundo a vontade de Deus encomendem a sua alma ao fiel Criador, na prática do bem" (1 Pedro 4:19). "Se for da vontade de Deus, é melhor que sofrais por praticardes o que é bom do que praticando o mal" (1 Pedro 3:17).

Quer soframos por alguma deficiência ou pelo mal feito por outras pessoas, Deus é quem decide, no final das contas — quer vivamos ou morramos. Deuteronômio 32:39, "Não há deus além de mim. Faço morrer e faço viver, feri e curarei, e ninguém é capaz de livrar-se da minha mão." Ou Tiago 4:13-15, "Atendei, agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã, iremos para a cidade tal, e lá passaremos um ano, e negociaremos, e teremos lucros. Vós não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa. Em vez disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo." Ou como diz Jó, "Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei; o SENHOR o deu e o SENHOR o tomou; bendito seja o nome do SENHOR" (Jó 1:21).

O rolar dos dados, o cair de um pássaro, o rastejar de um verme, o caminhar das estrelas, o cair da neve, o soprar do vento, o perder a visão, o sofrer dos santos, e a morte de todos — tudo está contido na palavra de Deus: "Farei toda a minha vontade" — da menor à maior.

A Soberania de Deus Sobre as Ações Humanas

E quando nos voltamos do mundo natural para o mundo das ações e escolhas humanas, a soberania de Deus é igualmente ampla. Você deverá votar nas eleições — nos candidatos e suas propostas. Mas que não haja nenhuma ilusão de auto-engrandecimento humano como se simples seres humanos fossem o fator decisivo em qualquer vitória ou derrota. Somente Deus terá este papel essencial. "É ele quem muda o tempo e as estações, remove reis e estabelece reis; ... o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens; e o dá a quem quer" (Daniel 2:21; 4:17).

E seja quem for o próximo presidente, ele não será soberano. Ele será governado. E nós deveríamos orar por ele para que ele soubesse disso: "Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR; este, segundo o seu querer, o inclina" (Provérbios 21:1). E quando ele dedicar-se às relações diplomáticas, ele não será o decisor. Deus o será. "O SENHOR frustra os desígnios das nações e anula os intentos dos povos. O conselho do SENHOR dura para sempre; os desígnios do seu coração, por todas as gerações" (Salmo 33:10-11).

Quando as nações praticaram seu mal mais absoluto, especificamente o assassinato do Filho de Deus, Jesus Cristo, elas não fugiram ao controle de Deus, mas antes, estavam cumprindo seu mais terno comando em seu pior momento: "porque verdadeiramente se ajuntaram nesta cidade contra o teu santo Servo Jesus, ao qual ungiste, Herodes e Pôncio Pilatos, com gentios e gente de Israel, para fazerem tudo o que a tua mão e o teu propósito predeterminaram" (Atos 4:27-28). O mais vil pecado que já se cometeu estava nos planos de Deus, e por meio daquele pecado, morreu o pecado.

O Gloriar-se Está Fora de Questão

E assim a nossa salvação foi obtida no Calvário sob a soberana mão de Deus. E se você é um crente em Jesus, se o ama, você é um milagre ambulante. Deus te concedeu arrependimento (2 Timóteo 2:24-25). Deus te trouxe até Cristo (João 6:44). Deus revelou o Filho de Deus a você (Mateus 11:27). Deus te deu o dom da fé. "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie" (Efésios 2:8-9). A soberania de Deus na nossa salvação exclui este gloriar-se.

Pode ter havido uma centena de coisas horríveis em sua vida. Mas se hoje você é levado a estimar Cristo como seu Senhor e Salvador, você poderá escrever por cima de cada um daqueles horrores as palavras de Gênesis 50:20: Satanás, "intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem."

Eu concluo, portanto, com as palavras de Paulo em Efésios 1:11, "Deus faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade." Todas as coisas — do rolar dos dados, ao movimento das estrelas, às ascensões dos presidentes, à morte de Jesus, aos dons do arrependimento e da fé.

Porquê a Soberania de Deus é Importante: Sete Exortações

O que, então, isto significa para nós? Por que isto nos é precioso? Eu responderei na forma de exortações:

  1. Então, que permaneçamos em temor à soberana autoridade, e liberdade, e sabedoria, e poder de Deus.
  2. E que nunca brinquemos com a vida como se ela fosse algo pequeno ou trivial.
  3. Que nos maravilhemos na nossa própria salvação — que Deus comprou e lapidou com poder soberano, e que nós não nos pertencemos.
  4. Que lamentemos acerca do desprezo para com Deus e do antropocentrismo de nossa cultura e de grande parte da igreja.
  5. Que sejamos confiantes diante do trono da graça, sabendo que nossas orações pelas coisas mais difíceis podem ser respondidas. Nada é demasiado difícil para Deus.
  6. Que nos regozijemos sabendo que nosso evangelismo não será em vão, porque não há pecador tão duro que a soberana graça de Deus não possa quebrantar.
  7. Que nos alegremos e nos aquietemos nestes dias tão turbulentos, pois a vitória pertence a Deus, e nenhum propósito que ele queira realizar pode ser impedido.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org