O Que Deus Ajuntou, Não Separe O Homem, Parte 1

Marcos 10:1-12

"Levantando-se Jesus, foi dali para o território da Judéia, além do Jordão. E outra vez as multidões se reuniram junto a ele, e, de novo, ele as ensinava, segundo o seu costume. 2 E, aproximando-se alguns fariseus, o experimentaram, perguntando-lhe: É lícito ao marido repudiar sua mulher? 3 Ele lhes respondeu: Que vos ordenou Moisés? 4 Tornaram eles: Moisés permitiu lavrar carta de divórcio e repudiar. 5 Mas Jesus lhes disse: Por causa da dureza do vosso coração, ele vos deixou escrito esse mandamento; 6 porém, desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher. 7 Por isso, deixará o homem a seu pai e mãe [e unir-se-á a sua mulher], 8 e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só carne. 9 Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem. 10 Em casa, voltaram os discípulos a interrogá-lo sobre este assunto. 11 E ele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela. 12 E, se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério."

Como estamos chegando ao fim de nossa série sobre o casamento - essa semana e semana que vem -, é preciso que pensemos juntos a respeito das implicações do significado de casamento para divórcio e novo casamento. Para muitos de vocês que tiveram um divórcio, ou cujos pais tiveram um divórcio, ou têm alguém muito próximo que é divorciado, a mera menção a essa palavra carrega um grande peso de tristeza, perda, tragédia, frustração, ira, remorso e culpa. Poucas coisas são mais dolorosas do que um divórcio. Isso corta as profundezas da personalidade como nenhuma outra ferida. Emocionalmente, torce mais o coração do que a morte do cônjuge. Morte é usualmente dor limpa. Divórcio é usualmente dor suja. Em outras palavras, a enorme perda de um cônjuge numa morte é composta, no divórcio, com o feio do pecado e a afronta moral de estar tão errado.

A Devastação Do Divórcio

De modo comum, leva anos a aparecer, anos para se estabelecer e também para ser ajustado. A preocupação da mudança drástica da vida é imensurável. O sentido de fracasso, culpa e medo podem torturar a alma. Como diz o salmista, todas as noites o cônjuge alaga de lágrimas o leito (Salmo 6:6). A performance no trabalho é obstruída. As pessoas ficam sem saber como se relacionar consigo e os amigos começam a desaparecer. Você se sente com se vestisse um grande D vermelhão no seu peito. A solidão não é como a solidão de ser viúva, viúvo ou nunca ter se casado. É uma categoria à parte. (O que é uma razão para que tantos divorciados se encontrem). O sentimento do futuro devastado pode consumir totalmente. A controvérsia da sala do tribunal compõe a miséria pessoal. E, então, existe frequentemente a situação de agonia das crianças. Pais tentam ter esperança contra as evidências de que as cicatrizes não vão mutilar as crianças ou arruinar no futuro os seus casamentos. Tensões sobre guarda e pensão alimentar aprofundam as feridas. E, então, o embaraçoso e artificial direito de visitação pode prolongar a tragédia por décadas. Adicione-se a tudo isso, o fato de que nos Estados Unidos isso acontece em mais de quatro em cada dez casais.

Respondendo Ao Divórcio

Há duas maneiras de responder amável e cuidadosamente a essa situação. Uma delas é estar ao lado de pessoas divorciadas e ajudá-las no momento de aflição e arrependimento de qualquer pecado que elas possuam. Assim, assisti-las durante as transições e ajudá-las a encontrar um novo modo de apreciar o perdão e a força para uma obediência nova que Cristo conquistou quando Ele morreu e ressuscitou.

A outra maneira de responder amável e cuidadosamente é articular um repúdio ao divórcio, destacar o motivo de ele ser contra a vontade de Deus e fazer tudo o que biblicaente podemos a fim de impedir que ele ocorra. Concessões contrárias à sagrada e duradoura permanência do casamento - posições que enfraquecem a solidez da união de aliança - podem dar sentimento de amor a curto prazo, mas provocam uma destruição por décadas. Preservar o padrão sólido da aliança do casamento com altos requisitos podem parecer duras a curto prazo, mas geram dez mil bênçãos para as futuras gerações. Espero que ambas as maneiras de amar e cuidar floresçam na igreja Bethlehem.

A Aliança Permanece Até Cristo a Remover

Uma das razões pelas quais eu nesta série tenho enfatizado tanto o significado final do casamento é que o significado do casamento é de um tipo que seres humanos não conseguem quebrar legitimamente. O significado final do casamento é a representação do amor mantido na aliança entre Cristo e sua Igreja. Viver essa verdade e mostrar essa verdade é o que significa, mais profundamente, estar casado. Essa é a razão central pela qual os casamentos existem. Há outras razões, mas esta é a principal. Portanto, se porventura Cristo abandonar e descartar a sua Igreja, então é legítimo um homem divorciar-se da sua esposa. E se a igreja comprada pelo sangue, sob a nova aliança, alguma vez deixar de ser a noiva de Cristo, então uma mulher pode, legitimamente, divorciar-se do seu marido. Mas, como Cristo mantém sua aliança com sua noiva, a Igreja, e enquanto a Igreja, pela graça sustentadora de Deus, permanece o povo escolhido de Jesus Cristo, então o significado puro do casamento incluí: o que Deus ajuntou não separe o homem.

Ficando Sério A Respeito Da Santidade

Ah, como eu oro para que um dos efeitos dessa série seja o fazer de nós um povo profundamente sério a respeito da santidade do casamento. O mundo trata esse diamante como qualquer outra pedra. Mas, na verdade, casamento é sagrado além do que a maioria imagina. É uma criação única de Deus, um retrato dramático da relação de Deus com o seu povo e uma amostra da glória do amor de Deus da aliança continuada. Contra todas as atitudes reduzidas sobre casamento no mundo - o mundo de Jesus e o nosso mundo - as palavras de Jesus sobre o casamento são de tirar o fôlego. Isso é a obra de Deus, não do homem, e não é do homem a prerrogativa de acabar com ela.

Jesus Conhece O seu Moisés

No nosso texto de Marcos 10:1 ss, os fariseus vêm a Jesus e perguntam: "É lícito ao marido repudiar sua mulher?" Essa é a pergunta. Hoje, as pessoas nem sequer isso perguntam. Elas já o pressupõe. Não é apenas lícito, mas fácil e barato. Digite no Google a palavra "divorce" e veja o que aparece (“Easy Online Divorce,” “Simple Divorce Online,” “No Fault Divorce, $28.95,” “Easy Online Divorce, $299”). Deixe-me dizer cautelosa e seriamente: aqueles que escarnecem do projeto de Deus e da glória de Cristo e constroem suas vidas, negócios e indústrias inteiras em cima do fazer do divórcio algo barato e fácil estão debaixo da ira de Deus e precisam se arrepender e buscar o Seu perdão por meio de Jesus antes que seja tarde demais.

Jesus sabia que no seu geral os fariseus eram uma geração adúltera (Mateus 12:39). Ele sabia como eles defendiam os seus divórcios. Então, leva-os a essa mesma questão e pergunta-lhes em Marcos 10:3: "Que vos ordenou Moisés?". Ele os leva a Moisés. Todavia eles deveriam ter sido cautelosos aqui. É que Moisés não escreveu apenas o Deuteronômio que eles estavam prestes a citar. Ele também escreveu Gênesis. Disseram então: "Moisés permitiu lavrar carta de divórcio e repudiar". É verdade. Essa é uma referência a Deuteronômio 24:1.

O que vai Jesus responder a essa defesa do divórcio? Verso 5: "Mas Jesus lhes disse: Por causa da dureza do vosso coração, ele vos deixou escrito esse mandamento". Isso é sensacional. Implica, por outras palavras, que há leis no Antigo Testamento que não são expressões da vontade de Deus para todos os tempos, mas expressões de como melhor administrar pecados de um povo particular num tempo particular. Divórcio nunca foi ordenado nem instituído no Antigo Testamento. Apenas permitido e regulado. Como também a poligamia foi permitida e regulada e alguns tipos de escravidão foram permitidos e regulados. E Jesus acrescenta que essa permissão não foi um reflexo do ideal de Deus para o seu povo; foi um reflexo da dureza do coração humano. "Por causa da dureza do vosso coração, ele vos deixou escrito esse mandamento;"

De Volta À Criação

Então, Jesus leva os fariseus (e nós) de volta à vontade de Deus na criação, cita Génesis 1:27 e 2:24, e mostra-nos como deveria ser. Versos 6-8: "porém, desde o princípio da criação, 'Deus os fez homem e mulher'. Por isso, deixará o homem a seu pai e mãe [e unir-se-á à sua mulher], e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só carne." Esse é o fim de Sua citação bíblica. Agora a pergunta é: o que ele vai fazer com isso? Claramente Jesus vê uma tensão entre Deuteronômio 24 e Génesis 1 e 2. O porém no começo do verso 6 ("porém, desde o princípio da criação...) significa: a vontade de Deus sobre divórcio em Génesis 1-2 não é a mesma que a vontade que foi expressa em Deuteronômio 24.

Assim a pergunta é: que direcção vai Jesus tomar? Dirá Ele: bem, há ainda uma dureza de coração hoje, até nos meus discípulos e então Deuteronômio expressa a vontade de Deus para os crentes de hoje? Ou ele vai dizer: eu sou o Messias, o Cristo. O Filho do Homem veio ao mundo para reunir um povo que pela fé nele e união com ele expõe o significado verdadeiro do casamento de um modo que eles mantenham suas alianças de casamento? A ênfase vai ficar no fato de haver ainda dureza no coração dentro da igreja, ou no fato de que o velho já passou e o novo tem chegado (2 Coríntios 5:17) ?

As Três Conclusões de Jesus

Jesus desenha três conclusões nos versos 8b e 9. Ele diz (1) no verso 8b: "De modo que já não são dois, mas uma só carne". Em outras palavras, uma vez que Deus disse em Génesis 2:24 "deixa o homem seu pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne", Jesus concluí para os dias dele e para os nossos: "De modo que já não são dois, mas uma só carne." Casamento é esse tipo de união - muito profunda, exatamente como Cristo e a igreja são um corpo (Romanos 12:5)

Seguidamente, (2) a segunda conclusão que Jesus desenha é que a união de uma só carne é criação, obra de Deus, não do homem. Ele diz no verso 9: "Portanto, o que Deus ajuntou...". Ainda que dois humanos decidam se casar e um pastor humano, ou sacerdote, ou juiz, ou outra pessoa torne solene e legal a união, tudo isso é secundário em comparação com o agente principal, a saber, Deus. "Portanto, o que Deus ajuntou...". Deus é o principal agente no evento do casamento.

Por fim, (3) Jesus desenha a conclusão no fim do verso 9: "não separe o homem". A palavra traduzida "homem" aqui ("não separe o homem") não é uma palavra para macho em vez de fêmea, mas a palavra homem em vez de divino. O contraste é: "Se Deus uniu o homem e a mulher no casamento, então meros humanos não têm o direito de separar o que Ele uniu." Essa é a terceira conclusão em Génesis 1 e 2. Uma vez que Deus criou essa sagrada união com esse sagrado propósito para expor a firmeza inquebrável do seu amor de aliança pelo seu povo, não reside no direito humano o destruir o que Deus criou.

Concluído Com Os Fariseus

Esse é o final da conversa de Jesus com os fariseus sobre divórcio. Ele tem mais a dizer aos seus discípulos, mas para os fariseus ele já concluiu. Eles não perguntam mais nada. Ele não diz mais nada. Eles vieram com a sua pergunta. Jesus deu a sua resposta. Eles perguntaram: "É lícito ao marido repudiar sua mulher?" Jesus respondeu: "Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem." Não. Não é lícito. Contradiz o significado final do casamento.

Claro que alguém pode dizer que sempre tem sido contraditório ao significado do casamento - até mesmo quando a permissão de Deuteronômio foi escrita. Mas, Jesus não está pensando dessa maneira. Ele está chamando os seus seguidores para um padrão mais elevado do que a concessão à dureza de coração, em Deuteronômio.

Jesus Não Veio Para Reafirmar Moisés

Jesus não veio simplesmente afirmar a lei de Moisés, ele veio para cumpri-la na sua obediência consumidora, perdoadora, justificadora, na sua morte e então levar seus seguidores eleitos, perdoados e justificados a padrões elevados aos quais eles foram designados quando a obra de Moisés é adequadamente entendida. Lembre-se de Mateus 5:17:"Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir". Então, ele dá seis exemplos do que essa obediência radical irá transparecer nos discípulos. Aqui estão dois: 1) "Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: quem matar estará sujeito a julgamento. Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo." (Mateus 5:21-22). 2)"Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela. " (Mateus 5:27-28). E há quatro mais como esses em Mateus 5.

Jesus Veio Cumprir A Lei De Moisés

Por outras palavras, Jesus não veio apenas cumprir a lei na sua própria obra, ele veio para levar seu povo a um radical entendimento da lei e uma obediência radical à lei que não é baseada na lei mas nele mesmo e, portanto, reflete o que a plenitude de Deus quer para nós - e especialmente reflete o evangelho, a obra de aliança continuada de Cristo no Calvário pela sua igreja. Casamento entre crentes é principalmente idealizado para dizer a verdade sobre o evangelho - que Cristo morre pela igreja que O ama e nunca quebra a sua aliança com a sua noiva.

Em essência, Jesus diz: "Ouvistes o que foi dito: 'É permitido divorciar'. Porém eu vos digo: 'Eu vim para conquistar a dureza do vossos corações. Eu vim para morrer pelos vossos pecados. Eu vim para que vós sede contados como justos. Eu vim para vos mostrar o drama que o casamento foi idealizado para representar, no meu amor sacrificial de aliança continuada pela minha noiva pecaminosa. Eu vim para vos dar o poder para ficarem casados ou ficarem solteiros, de modo que mantenham as vossas promessas e mostrem como é a minha aliança e quão sagrada é o elo do casamento'. "

Então, quando os fariseus vão embora e Jesus está em casa com os seus discípulos, Ele coloca a matéria ainda mais franca e radicalmente. Marcos 10:10-12: "Em casa, voltaram os discípulos a interrogá-lo sobre este assunto. E ele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela. E, se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério."

Para A Próxima Semana

Marcos não relata quão aturdidos ficaram os discípulos com estas palavras; Mateus relata. Eu vou tentar mostrar mais concretamente a partir de duas importantes passagens em Mateus (5:32;19:9) e três em 1 Coríntios (7:10-11, 12-16, 39) e uma em Romanos (7:1-3) o motivo porque penso que devemos levar o valor de Jesus a sério aqui e aconselhar contra todo novo casamento após divórcio enquanto o cônjuge estiver vivo. Para isso que eu penso que Jesus nos chamou como seus seguidores. Mantenha seus votos de casamento de uma maneira que conte a verdade sobre o amor de aliança inquebrável de Cristo.

O Divórcio e o Evangelho

Mas, ao concluir hoje, quero enfatizar que o que Jesus diz nos versos 10-12 são inacreditavelmente boas notícias - até para aqueles que foram divorciados e casaram de novo. Aqui está o motivo: Não se divorcie do seu cônjuge e case-se com outra pessoa. Se você fizer, comete adultério. Por que adultério ? Em última análise é adultério porque trai a verdade sobre Cristo que o casamento deveria expor. Jesus nunca, nunca, nunca faz isso com a sua noiva, a Igreja. Ele nunca a abandona. Ele nunca abusa dela. Ele sempre a ama. Ele sempre a leva de volta quando ela vagueia. Ele sempre é paciente com ela. Ele sempre é prudente com ela, provê para ela, protege-a e, maravilha das maravilhas, deleita-se nela. E você - você que está casado uma vez, muitas vezes, nenhuma vez - se você se arrepender e confiar em Cristo - recebê-lo como o tesouro que teve a sua punição e tornou-se sua justiça - você inclui-se na noiva. E é assim que ele se relaciona contigo: "Dele todos os profetas dão testemunho de que, por meio de seu nome, todo aquele que nele crê recebe remissão de pecados." (Atos 10:43)

O chamado radical de Jesus para nunca haver divórcio e novo casamento é uma declaração do evangelho, pelo qual pessoas que falharam podem ser salvas. Se Cristo não fosse assim, estaríamos perdidos. Mas, é assim que Ele é verdadeiro, fiel e perdoador. Portanto, estamos salvos.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For Internet posting, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org