Uma Chamada ao Risco Cristão

Como a remoção do risco eterno produz a chamada ao risco temporal

Ao livrar o seu povo do risco da condenação eterna, Cristo o chama ao risco temporal permanente. O risco final desapareceu para os seguidores de Cristo. “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8.1). “Nem a morte, nem a vida... poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 8.38-39). “Sereis entregues até por vossos pais, irmãos, parentes e amigos; e matarão alguns dentre vós.... Contudo, não se perderá um só fio de cabelo da vossa cabeça” (Lucas 21.16,18). “Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” (João 11.25).

Quando a ameaça da morte se torna um acesso ao Paraíso, a barreira final do risco temporal é quebrada. Quando um crente afirma de coração: “O viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Filipenses 1.21), ele está livre para amar, não importando o que lhe possa acontecer. Algumas formas de islamismo radical podem instigar os homens-suicidas com sonhos semelhantes, mas a esperança cristã é o poder que capacita a amar, e não a matar. A esperança cristã produz doadores de vida e não destruidores de vida. O Cristo crucificado chama o seu povo a viver e a morrer por seus inimigos, como Ele o fez. Os únicos riscos permitidos por Cristo são os riscos do amor. “Digo-vos, porém, a vós outros que me ouvis: amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam; bendizei aos que vos maldizem, orai pelos que vos caluniam” (Lucas 6.27-28).

Com promessas surpreendentes de gozo eterno, Jesus desencadeou um movimento radical de pessoas que assumem riscos por amor. “Sereis entregues até por vossos pais, irmãos, parentes e amigos; e matarão alguns dentre vós” (Lucas 21.16). Apenas alguns. Isso significa que pode ser você, mas pode não ser. Isto é o que está implícito no risco. Não é arriscado atirar na própria cabeça, porque o resultado é certo. Arriscado é servir a Cristo em uma zona de guerra. Você pode levar um tiro. Mas pode não levá-lo.

Cristo nos chama a assumir os riscos em favor dos propósitos do reino. Quase todas as mensagens do consumismo contemporâneo dizem o contrário: dê grande valor ao conforto e à segurança — agora, e não no céu. Cristo não se une a esse coro. A todos os crentes temerosos, que estão à beira do precipício de alguma aventura perigosa de evangelização, Cristo diz: “Não temais os que matam o corpo” (Lucas 12.4). Sim, por todos os meios, maximize o seu regozijo! Como? Por causa do amor, assuma o risco de ser injuriado, perseguido e morto, “porque é grande o vosso galardão nos céus” (Mateus 5.12).

Na Bíblia, há um grande legado de pessoas amáveis que assumiram riscos. Joabe, quando enfrentava os sírios, por um lado, e os amonitas, pelo outro, disse a seu irmão, Abisai: “Sê forte, pois; pelejemos varonilmente pelo nosso povo... e faça o senhor o que bem lhe parecer” (2 Samuel 10.12). Ester transgrediu a lei real para salvar o seu povo e disse: “Se perecer, pereci” (Ester 4.16). Sadraque e seus companheiros recusaram-se prostrar-se perante o ídolo do rei e disseram: “Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrarnos, ele nos livrará... Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses” (Daniel 3.17-18). E, quando o Espírito Santo revelou a Paulo que, em cada cidade, o aguardavam prisões e aflições, ele declarou: “Em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira” (Atos 20.24).

Stephen Neil afirmou a respeito da igreja primitiva: “Todo crente sabia que, mais cedo ou mais tarde, deveria testemunhar a sua fé ao custo de sua vida” (A History of Christian Missions, Penguin, 1964, p. 43). Isso era normal. Tornar-se um cristão significava colocar em risco a vida. Milhares fizeram isso. Por quê? Porque fazer isso significava ganhar a Cristo; e não fazê-lo implicava perder a alma. “Quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á” (Mateus 16.25).

Na América e no mundo todo, o preço de seguir a Cristo está se tornando elevado. As coisas estão voltando ao normal neste “mundo perverso”. 2 Timóteo 3.12 se tornará cada vez mais evidente: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos”. Aqueles que têm feito dos riscos do evangelho um estilo de vida se mostrarão mais dispostos a sofrer, quando não tivermos qualquer outra escolha. Portanto, insto-o com as palavras da igreja primitiva: “Saiamos, pois, a ele, fora do arraial, levando o seu vitupério. Na verdade, não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a que há de vir” (Hebreus 13.13-14). Quando Deus removeu todos os riscos eternos, Ele liberou milhares de riscos de amor.

Full author john piper

John Piper (@JohnPiper) is founder and teacher of desiringGod.org and chancellor of Bethlehem College & Seminary. For 33 years, he served as pastor of Bethlehem Baptist Church, Minneapolis, Minnesota. He is author of more than 50 books.

© 2015 Desiring God Foundation. Distribution Guidelines

Used by Permission.

Share the Joy! You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2015 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org