A Soberania de Deus e Oração

Constantemente me perguntam: “Se você crê que Deus faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade (Efésios 1:11) e que seu conhecimento de todas as coisas, passadas, presentes e futuras, é infalível, então qual é o sentido de orar para que qualquer coisa aconteça?” Normalmente, essa pergunta é feita com relação a decisões humanas: “Se Deus predestinou alguns para serem seus filhos e os escolheu antes da fundação do mundo (Efésios 1:4,5), então qual o sentido de orar pela conversão de alguém?”

O argumento implícito aqui é que, para que a oração seja possível, o homem deve ter o poder da autodeterminação. Ou seja, todas as decisões do homem devem em última instância pertencer a ele mesmo, não a Deus. Pois, de outro modo, ele é determinado por Deus e todas as suas decisões estão, na verdade, estabelecidas no propósito eterno de Deus. Vamos examinar a razoabilidade desse argumento, refletindo a respeito do exemplo citado acima.

Deus Decide Quem Será Salvo

1. “Por que orar pela conversão de alguém se Deus escolheu antes da fundação do mundo quem serão seus filhos?” Uma pessoa precisando de conversão está “morta em suas transgressões e pecados” (Efésios 2:1); ela é “escrava do pecado” (Romanos 6:17; João 8:34); “O deus desta era cegou seu entendimento, para que não veja a luz do evangelho da glória de Cristo” (2 Coríntios 4:4); seu coração está endurecido para Deus (Efésios 4:18), de forma que ela é hostil a Deus e está rebelde em relação à vontade de Deus (Romanos 8:7).

Agora, eu gostaria de devolver a pergunta ao meu inquiridor: Se você insiste que esse homem deve ter o poder da autodeterminação em última instância, qual é o ponto de orar por ele? O que você quer que Deus faça por ele? Você não pode pedir a Deus que supere a rebelião do homem, pois a rebelião é precisamente o que o homem está escolhendo agora, e isso significaria que Deus supera a escolha dele e tira seu poder de autodeterminação. Mas como Deus pode salvar esse homem, a menos que aja de forma a mudar o coração do homem da dura hostilidade para a terna confiança?

Você vai orar para que Deus ilumine o entendimento dele para que ele verdadeiramente enxergue a beleza de Cristo e creia? Se você orar assim, está de fato pedindo a Deus que não mais deixe a determinação da vontade do homem em suas próprias mãos. Você está pedindo a Deus que faça algo no entendimento (ou no coração) do homem, de forma que ele certamente irá enxergar e crer. Isto é, você está admitindo que a determinação última da decisão do homem por crer em Cristo pertence a Deus, não meramente ao homem.

A Soberania de Deus Possibilita a Oração

O que estou dizendo é que não é a doutrina da soberania de Deus que frustra a oração pela conversão de pecadores. Pelo contrário, é a noção, em desacordo com a Bíblia, da autodeterminação, que iria consistentemente por um fim em todas as orações pelos perdidos. Oração é um pedido para que Deus faça alguma coisa. Mas a única coisa que Deus pode fazer para salvar um pecador perdido é superar sua resistência a Deus. Se você insistir que o homem conserve sua autodeterminação, então está insistindo que ele permaneça sem Cristo. Pois, “ninguém pode vir a Cristo, a não ser que isto lhe seja dado pelo Pai” (João 6:65, 44).

Somente a pessoa que rejeita a autodeterminação do homem pode orar consistentemente para que Deus salve os perdidos. Minha oração pelos descrentes é que Deus faça por eles o que fez por Lídia: Ele abriu seu coração para atender à mensagem de Paulo. (Atos 16:14). Eu oro para que Deus, que uma vez disse, “Haja luz!”, pelo mesmo poder criativo, faça “brilhar em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo. (2 Coríntios 4:6). Eu oro para que Ele “tire seus corações de pedra e lhes dê corações de carne.” (Ezequiel 36:26). Eu oro para que eles nasçam não da vontade da carne nem da vontade do homem, mas da vontade de Deus (João 1:13). E junto com toda a minha oração, tentarei “ser amável para com todos, para ensinar e corrigir com mansidão e paciência, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento e escape da armadilha do diabo.” (2 Timóteo 2:24-26).

Em resumo, não peço a Deus que sente e espere que meu vizinho decida mudar. Não sugiro a Deus que Ele mantenha sua distância, para que Sua beleza não se torne irresistível e viole o poder de autodeterminação do meu vizinho. Não! Eu oro para que Ele assalte meu vizinho descrente com Sua beleza, que Ele desamarre a vontade escravizada, que Ele faça o morto viver e que Ele não sofra resistência para impedi-lo, para que meu vizinho não pereça.

A Relação entre Oração e Evangelismo

2. Se alguém agora diz, “O.K., mesmo que a conversão de uma pessoa seja determinada em última instância por Deus, ainda não vejo o sentido da sua oração. Se Deus escolheu antes da criação do mundo quem seria convertido, qual a função da sua oração?” Minha resposta é que sua função é como a da pregação: “Como os perdidos crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não houver quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados?” (Romanos 10:14-15) Crer em Cristo é dom de Deus (João 6:65; 2 Timóteo 2:25; Efésios 2:8), mas Deus determinou que o meio pelo qual os homens creem em Jesus é a pregação dos homens.

É simplesmente ingênuo dizer que se ninguém difundir o evangelho, todos os predestinados para serem filhos de Deus (Efésios 1:5) serão convertidos de qualquer maneira. Isso é ingênuo, porque ignora o fato de que a pregação do evangelho é tão predestinada quanto a no evangelho: Paulo foi separado para seu ministério de pregação antes de seu nascimento (Gálatas 1:15), como também Jeremias (Jeremias 1:5). Portanto, perguntar, “Se não evangelizarmos, os eleitos serão salvos?” é como perguntar, “Se não há predestinação, os predestinados serão salvos?” Deus conhece aqueles que são seus e Ele irá levantar mensageiros para ganha-los. Se alguém se recusar a fazer parte desse plano, porque não gosta da ideia de ter sido violado antes do nascimento, então ele será o perdedor, não Deus ou os eleitos. “Você irá certamente realizar o propósito de Deus, de qualquer forma que possa agir, mas fará diferença em sua vida se servi-lo como Judas ou como João.” (O Problema do Sofrimento capítulo 7, Antologia, p 910, cf. p 80).

Deus Usa Meios

Oração é como pregação pelo fato de ser também um ato do homem. É um ato do homem determinado por Deus e no qual Ele se deleita, porque reflete a dependência de suas criaturas em relação a Ele. Ele prometeu responder à oração, e sua resposta é tão contingente quanto é nossa oração de acordo com Sua vontade. “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve.” (1 João 5:14). Quando não sabemos como orar de acordo com a vontade de Deus, mas desejamos avidamente, “o Espírito intercede por nós de acordo com a vontade de Deus.” (Romanos 8:27).

Em outras palavras, assim como Deus assegurará que Sua Palavra seja pregada como meio de salvar os eleitos, assim também Ele assegurará que todas aquelas orações sejam feitas de acordo com as que Ele prometeu responder. Acho que as palavras de Paulo em Romanos 15:18 se aplicariam igualmente bem ao seu ministério de pregação e de oração: “Não me atrevo a falar de nada, exceto daquilo que Cristo realizou por meu intermédio em palavra e em ação, a fim de levar os gentios a obedecerem a Deus.” Mesmo as nossas orações são um dom daquele que “nos aperfeiçoa em todo o bem para fazermos a vontade dele” (Hebreus 13:21). Ó, quão gratos deveríamos ser por Ele ter nos escolhido para sermos empregados nesse alto serviço! Quão ávidos deveríamos ser para gastar muito tempo em oração!

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For Internet posting, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org