Porque Memorizar as Escrituras?

Primeiro, alguns testemunhos: eu soube que o Dr. Howard Hendricks do Seminário de Dallas uma vez fez uma declaração (e eu o parafraseio) que se dependesse de sua decisão, seria exigido que todo o aluno graduado pelo Seminário Teológico de Dallas aprendesse mil versículos perfeitamente antes de se graduarem.

Dallas Willard, professor de Filosofia na Universidade do Sul da Califórnia, escreveu, “A memorização bíblica é absolutamente fundamental para a formação espiritual. Se eu tivesse que escolher entre todas as disciplinas da vida espiritual, eu escolheria a memorização da Bíblia, porque é uma maneira fundamental de encher as nossas mentes com o que é necessário para ela. Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei. É onde você precisa delas! Como você faz para que elas cheguem à sua boca? Memorização” (“Formação Espiritual em Cristo para a Vida e Pessoa Integral” em Vocatio, Vol. 12, nº 2, Spring, 2001, p. 7).

Chuck Swindoll escreveu, “Não conheço nenhuma outra prática na vida cristã que seja mais recompensadora, em termos práticos, do que memorizar as Escrituras. . . . Nenhum outro exercício gera mais lucro espiritual! Sua vida de oração será mais fortalecida. Seu testemunho será mais nítido e muito mais efetivo. Suas atitudes e perspectivas começarão a mudar. Sua mente se tornará alerta e vigilante. Sua confiança e segurança serão reforçadas. Sua fé será solidificada” (Fortalecendo-se nas Estações da Vida [Grand Rapids: Zondervan, 1994], p. 61).

Um dos motivos que Martinho Lutero chegou a sua grande descoberta na Bíblia sobre a justificação apenas pela fé foi porque em seus primeiros anos no monastério Augustiniano ele foi influenciado pelo amor que Johann Staupitz tinha às Escrituras. Lutero devorou a Bíblia em um dia quando as pessoas ganhavam doutorados em teologia sem mesmo terem lido a Bíblia. Lutero disse que seu professor, Andreas Karlstadt, nem ao menos tinha uma Bíblia própria quando ele recebeu o título de doutor em teologia, e não obteve uma até muitos anos depois (Richard Bucher, "O Amor de Martinho Lutero pela Bíblia"). Lutero memorizou tanto da Bíblia que quando o Senhor abriu os seus olhos para ver a verdade da justificação em Romanos 1:17, ele disse, “Então eu recorri às Escrituras em minha memória”, a fim de confirmar o que ele tinha encontrado.

Portanto, aqui vão algumas razões pelas quais muitos têm visto a memorização das Escrituras como essencial para a vida cristã.

1. Conformidade com Cristo

Paulo escreveu que "todos nós, ... refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem" (2 Coríntios 3:18)). Se formos transformados na imagem de Cristo, devemos vê-lo constantemente. Isso acontece na palavra. “O Senhor continuou aparecendo a Samuel em Siló por meio de sua palavra” (1 Samuel 3:21). A memorização da Bíblia tem o efeito de tornar a nossa visão em Jesus mais firme e mais clara.

2. Vitória Diária sobre o Pecado

“Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de acordo com a tua palavra. ... Guardei no coração a tua palavra para não pecar contra ti” ( Salmo 119:9, 11). Paulo disse que devemos “pelo Espírito ... fazer morrer os atos [pecaminosos] do corpo” (Romanos 8:13). O único item da armadura usado para atacar é a “espada do Espírito” que é a palavra de Deus (Efésios 6:17). Como o pecado seduz o corpo à uma ação pecaminosa, trazemos à mente a uma palavra reveladora de Cristo das Escrituras e acabamos com a tentação com o valor e a beleza de Cristo que são superiores às ofertas do pecado.

3. Vitória Diária sobre Satanás

Quando Jesus foi tentado por Satanás no deserto, ele recitou as Escrituras de memória e colocou Satanás para correr (Mateus 4:1-11).

4. Consolo e Conselho para Pessoas que Você Ama

As vezes em que as pessoas precisam de você para consolá-las ou aconselhá-las nem sempre coincidem com as vezes que você tem a Bíblia em sua mão. Não apenas isso, a própria palavra de Deus falada espontaneamente do seu coração tem um poder incomum. Provérbios 25:11 diz “A palavra proferida no tempo certo é como frutas de ouro incrustadas numa escultura de prata”. Essa é uma linda maneira de dizer, Quando o coração cheio da palavra de Deus consegue recorrer a mente cheia da palavra de Deus, no tempo oportuno as bençãos fluirão da boca.

5. Comunicação do Evangelho aos Não-Cristãos

As oportunidades para compartilhar o evangelho vêm quando não temos a Bíblia em nossas mãos. Os versículos efetivos da Bíblia tem seu próprio poder penetrante. E quando eles vêm do coração, assim como do Livro, dá-se o testemunho de que eles são preciosos o suficientes para aprender. Todos nós devíamos saber resumir o evangelho sob estes quatros principais itens (1) santidade/lei/glória de Deus; 2) pecado/rebelião/desobediência do homem; 3) morte de Cristo pelos pecadores; 4) o dom gratuito da vida pela fé. Aprenda um ou dois versículos relacionados a cada um desses itens, e esteja preparado em tempo e a fora de tempo para compartilhá-los.

6. Comunhão com Deus no Gozo de Sua Pessoa e Caminhos

A maneira que nós comungamos (isto é, temos comunhão com) Deus é através da meditação sobre seus atributos e a expressão a ele de nossa gratidão e admiração e amor, e a busca de sua ajuda para viver a vida que reflete o valor desses atributos. Portanto, armazenar os textos em nossas mentes sobre Deus nos auxilia a nos relacionar com ele como ele realmente é. Por exemplo, imagine que você seja capaz de trazer à mente durante o dia:

Misericordioso e piedoso é o SENHOR; longânimo e grande em benignidade. Não reprovará perpetuamente, nem para sempre reterá a sua ira. Não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniqüidades. Pois assim como o céu está elevado acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. Assim como está longe o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões. Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR se compadece daqueles que o temem. Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó. (Salmo 103:8-14)

Eu usei a palavra “gozo” intencionalmente quando eu disse, “comunhão com Deus no gozo de sua pessoa e caminhos” Muitos de nós somos deficientes emocionais—aliás, todos nós. Não experimentamos a Deus na plenitude de nosso potencial emocional. Como isso mudará? Uma maneira é memorizar as expressões emocionais da Bíblia e dizê-las ao Senhor e um ao outro, até que elas se tornem parte de quem nós somos. Por exemplo, no Salmo 103:1, dizemos, “Bendiga ao Senhor a minha alma! Bendiga ao Senhor todo o meu ser!”. Essa não é uma expressão natural para muitas pessoas. Mas se a memorizarmos e outras expressões emocionais da Bíblia, e dizê-las com frequência, pedindo ao Senhor que torne a emoção verdadeira em nossos corações, de fato, poderemos amadurecer nessa emoção e expressão. Se tornará parte de quem nós somos. Seremos menos deficientes emocionais e conseguiremos dar o louvor e a gratidão de forma mais adequada a Deus.

Há outras razões para memorização da Escritura. Espero que as encontre na prática.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For Internet posting, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org