Jó: Reversão no sofrimento

Nem má teologia (nas palavras de Elifaz, Bildade e Zofar), nem boa teologia (nas palavras de Eliú) nos dá o conhecimento de Deus que muda o coração de uma pessoa. "Prove e veja que o Senhor é bom!" (Salmo 34:8). Há um conhecimento que só vem através da degustação. Cinco segundos de mel na língua vai mostrar mais doçura que dez horas de palestras sobre a doçura do mel. "Prove e veja que o Senhor é bom." Até que Deus lhe dê um gosto de sua bondade toda a teologia do mundo não vai lhe dar um conhecimento da sua bondade que muda o seu coração e salva a sua alma.

Jó provou e viu que Deus é bom

Quando Eliú terminou de falar a verdade, Jó não disse nada. Só depois que Deus falou (nos capítulos 38-41) Jó disse: " Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos." (42:5). Quando o próprio Deus veio a Jó, falou com ele e tomou a iniciativa de se fazer conhecido, Jó provou Deus! E seus olhos foram abertos.

Agora Jó tem um novo senso da realidade de Deus. É mais do que o conhecimento intelectual ou especulativo. É o conhecimento do coração. Ele provou. E agora ele vê. E o resultado é um homem quebrado e mudou.

Jó confessa Três Grandes Verdades

Em 42:1-6 Jó se curva em submissão reverente a confessa três grandes verdades.

  1. No versículo 2, ele confessa a verdade de que Deus é absolutamente soberano: "Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido."
  2. No versículo 3, ele confessa a verdade de que a sabedoria de Deus faz com que sua própria sabedoria parece ser ignorância. “Por isso relatei o que não entendia; coisas que para mim eram inescrutáveis, e que eu não entendia.”
  3. E no versículo 6, ele confessa a verdade de que ele é culpado de pecado desprezível em questionar os caminhos de Deus: "Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza.”

Um homem quebrantado e transformado

Jó é um homem quebrantado e trasnformado. É isso que acontece quando você realmente vê Deus. Foi o que aconteceu com Isaías: "Ai de mim! Pois estou perdido, porque sou um homem de lábios impuros ... e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!" (Isaías 6:5). Foi o que aconteceu com Pedro quando Jesus mostrou seu poder: "Senhor, ausenta-te de mim, que sou um homem pecador." (Lucas 5:8). Foi o que aconteceu com o centurião, quando Jesus chegou à sua casa: "Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres debaixo do meu teto" (Lucas 7:6).

Antes de Jó ver a Deus desta maneira, ele estimou a si mesmo grandemente e não tinha hesitou em afirmar a sua justiça. Agora ele se vê mais claramente. E o que ele vê o leva ao arrependimento.

Se nós não nos sentir triste pelo nosso pecado, e profundamente indignos da bondade de Deus, então precisamos orar fervorosamente para que Deus nos mostrar a si mesmo, que ele deixe de ser uma mera doutrina que ouvimos com os nossos ouvidos, e em vez disso, se torne um soberano, impressionante, infinitamente santo, terrível e maravilhoso Soberano que nós provamos e vemos com o coração.

Jonathan Edwards “Nova visão” de Deus

Jonathan Edwards lutou com Deus, em sua juventude, na Nova Inglaterra, há 250 anos. Ele escreveu em “Narrativa Pessoal”

Desde a minha infância, minha mente estava cheia de objeções contra a doutrina da soberania de Deus... Mas, eu me lembro muito bem do tempo em que eu parecia estar convencido, e plenamente satisfeito, em relação a esta soberania de Deus... Houve uma alteração maravilhosa em minha mente no que diz respeito à doutrina da soberania de Deus, a partir daquele dia em diante; de modo que eu quase nunca senti nascer seque uma objeção a ela, no sentido mais absoluto... A primeira vez que me lembro de sentir esse doce deleite interior em Deus e nas coisas divinas que eu vivo até hoje, foi na leitura dessas palavras em 1 Timóteo 1:17: "Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus sábio, seja honra e glória para todo o sempre. Amém." Ao ler as palavras, veio à minha alma, e era como se fosse difundida através dela, um sentido da glória do Ser Divino, um novo sentido, muito diferente de qualquer coisa que eu tenha experimentado antes.

Edwards recebeu um "novo sentido", um "gosto", como o salmista diria, da glória e da soberania de Deus. Ele venceu todas as suas objeções e se humilhou ao pó. Ele falou de seu sentimento de pecado em palavras que são quase ininteligível em nossa cultura de auto-exaltação:

Eu tive uma sensação muito maior de minha própria maldade, e da maldade do meu coração, como nunca tive antes da minha conversão... Minha maldade, como eu sou em mim mesmo, há muito tempo pareceu-me perfeitamente inefável, e engolia todo o pensamento e imaginação; como um dilúvio infinito, ou uma montanha sobre a minha cabeça. Eu não sei como expressar melhor o que os meus pecados me parecem ser, do que acumulando infinito sobre infinito, e multiplicando infinito por infinito.

O que Deus procura em suas relações com seus filhos

Quando Deus nos deu um gosto de sua própria majestade e nossa própria maldade, então, a vida cristã se torna uma coisa muito diferente do que a piedade convencional. Edwards a descreve belamente quando ele diz:

Os desejos dos santos, porém sérios, são desejos humildes: sua esperança é uma esperança humilde, e sua alegria, mesmo quando ela é indizível e cheia de glória, é uma alegria humilde, a alegria com o coração partido, deixando o cristão mais pobre de espírito, mais como uma criança, e mais disposto a uma humildade universal de comportamento.

Isso é o que Deus procura em todas as suas relações com seus filhos - uma alegria de coração partido que confia como uma criança em Deus e devolve bem pelo mal.

Deus faz mais duas coisas nos sofrimentos de Jó

Foi até ai que Deus trouxe Jó, e para provar que Ele está satisfeito com a "alegria de coração partido" de Jó, Deus vai reverter a sorte de Jó e dar-lhe saúde, novos filhos e posses em dobro. Mas, antes que ele execute essa inversão na vida de Jó, Deus tem mais duas coisas para trazer através desta experiência de sofrimento.

1. A humilhação dos três amigos de Jó

Primeiro, ele tem como objetivo trazer Elifaz, Bildade e Zofar ao pó junto com Jó. Vamos ler 42:7-9,

Sucedeu que, acabando o SENHOR de falar a Jó aquelas palavras, o SENHOR disse a Elifaz, o temanita: A minha ira se acendeu contra ti, e contra os teus dois amigos, porque não falastes de mim o que era reto, como o meu servo Jó. Tomai, pois, sete bezerros e sete carneiros, e ide ao meu servo Jó, e oferecei holocaustos por vós, e o meu servo Jó orará por vós; porque deveras a ele aceitarei, para que eu não vos trate conforme a vossa loucura; porque vós não falastes de mim o que era reto como o meu servo Jó. Então foram Elifaz, o temanita, e Bildade, o suíta, e Zofar, o naamatita, e fizeram como o SENHOR lhes dissera; e o SENHOR aceitou a face de Jó. Jó 42:7-9

Deus procura humilhar esses três amigos de Jó de duas maneiras. Ele diz que eles estão teologicamente errados, e ele faz com que eles busquem o perdão através daquele a quem haviam injuriado.

No versículo 7, Deus diz: "Você não tem falado de mim o que é certo, como o meu servo Jó". Agora Deus tinha acusado Jó de ter escurecido o conselho sem conhecimento (38:2; 42:3), então ele não quer dizer que tudo que Jó disse estava correto. Mas, quando se trata da disputa entre Jó e os seus três amigos, ele estava com a razão.

Eles haviam dito que os ímpios sofrem e que os justos prosperam. Jó tinha dito que o mundo não comprova tal coisa: os maus prosperam, muitas vezes mais do que os justos e os justos muitas vezes sofrem mais do que os ímpios. Jó estava certo.

Não só isso, os três amigos viram toda a justiça se manifestar nesta vida. Mas, Jó finalmente reconheceu a verdade de que muito do que está errado no mundo seria corrigino na vida após a morte (19:25-27). Jó estava certo.

Então, Deus humilhou esses três amigos, mostrando-lhes que quem eles condenaram era de fato um teólogo muito melhor, mesmo não sendo perfeito.

Mas a humilhação ainda não estava completa. Eles não poderiam simplesmente ir para suas salas de oração e falar uma simples oração de perdão e assim acabar com o problema. Eles deveriam ir até Jó com os seus sacrifícios e pedir-lhe para orar por eles. Esta deve ter sido uma coisa profundamente humilhante. Aquele a quem eles tinham acusado de estar longe de Deus deve tranformar-se em seu sacerdote para trazê-los para perto de Deus. Em outras palavras, Deus está dizendo que a única maneira dos três amigos experimentarem a reconciliação com Deus é através da experiência de reconciliação com Jó. Eles devem se humilhar diante de Jó, e não apenas diante de Deus.

Mas serve para os dois lados.

2. A prova de arrependimento de Jó

Há uma segunda coisa que Deus está fazendo, antes que ele restaure a sorte de Jó: ele está provando o arrependimento em Jó. Quando os três amigos vão à procura de Jó e de sua intercessão diante de Deus, não é apenas a sua humildade que está em julgamento! Jó está agora sendo solicitado a amar seus inimigos e orar por aqueles que abusaram dele. Ele está sendo convidado a abençoar aqueles que o amaldiçoaram e a não retribuir o mal com o mal.

E ele ainda é um homem muito doente! Deus ainda não inverteu a sua miséria. Por quê? Qual é a lição aqui? Não é o mesmo que Mateus 6:14?

Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas. Mateus 6:14-15

Em outras palavras, é através do arrependimento e da fé que recebemos o perdão de Deus. Mas a genuinidade do arrependimento, a autenticidade da fé, a realidade da sua mudança de coração deve ser provada na sua vontade de perdoar aqueles que pecaram contra você. Se o perdão de Deus para um pecador arrependido não flui através dele, a outros, o perdão de Deus foi uma ilusão. Ele ainda está em seus pecados.

Então Deus coloca Jó em um último teste. Será que ele vai abaixar as armas da vingança e aceitar os termos do tratado de Deus e estender a anistia aos seus três amigos da mesma maneira que Deus fez com ele? Sim. Jó passa no teste. Ele é um homem quebrantado. Seus próprios pecados o jogaram no pó e na cinza. Como ele pode exaltar-se acima de um outro homem? Como ele não dará o perdão se ele mesmo foi livremente perdoado? Assim termina o versículo 9, "O Senhor aceitou a oração de Jó".

Conclusão

Assim, o livro se encerra com o orgulho na vida de Jó sendo retirado pelo crivo do sofrimento, a má teologia de seus três amigos é corrigida e a sua tolice humilhada, a irmandade dos servos de Deus restaurada e purificada, e a honra do nome de Deus vingada em relação as acusações de Satanás.

Que o Senhor nos conceda a graça para aprender que seus caminhos podem não ser os nossos caminhos e os seus pensamentos podem não ser nossos pensamentos, mas mesmo assim os caminhos de Deus são os mais sábios de todos, e estão cheios de misericórdia para todos aqueles que amam a Deus e são chamados segundo o seu propósito.

O resumo do livro, em Tiago 5:11, está no correto:

Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso. Tiago 5:11

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For Internet posting, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org