Contemplamos Sua Glória, Cheia de Graça e Verdade

14 E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e verdade, e vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai. 15 João testemunha a respeito dele e exclama: “Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim”. 16 Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça. 17 Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. 18 Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou.

Vamos começar do versículo 14 para compreendermos a ideia principal deste parágrafo. “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e verdade, e vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai”. Retorne ao versículo 1 para recordar a quem se refere o Verbo. “No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (João 1.1). Assim, o Verbo se refere a Deus, o Filho.

Uso o termo Filho porque ele é utilizado no versículo 14: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e verdade, e vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai”. Portanto, o Verbo é o Filho de Deus.

Um Deus, três pessoas

Muçulmanos tropeçam nesta palavra, Filho, como muitos outros. Alguns deles pensam que pretendemos dizer que Deus teve sexo com Maria e gerou um filho. Não é isso o que a Bíblia quer dizer. João 1,1 afirma: “No princípio, era o Verbo”. Este é o Filho de Deus. E ele não teve começo. Ele estava ali no princípio. Ele estava ali no lugar mais distante a que você poderia retornar — para a eternidade. E o versículo 3 declara: “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez”. Significa que ele não foi feito. Ele não é parte da criação de forma alguma. Por conseguinte, aqui está que sabemos sobre o Filho de Deus: 1) ele é Deus; 2) o Pai é Deus também; 3) o Filho não é o Pai, ele estava com o Pai; 4) ele não é criado e é eterno.

Há muito que dizer sobre a doutrina da Trindade — o ensino que Deus existe como um Deus em três pessoas, o Pai, o Filho, e o Espírito Santo. Mas mantenha isto em sua mente e coração por agora. O Filho e o Pai são um Deus, mas eles são duas pessoas. Eles têm uma natureza divina. Eles têm um Deus com dois centros de consciência.

Deus tornou-se homem sem cessar de ser Deus

Agora, o versículo 14 afirma — e isso é um dos eventos mais importantes na história —que o Verbo, o Filho, tornou-se humano sem cessar de ser Deus. É o que vamos examinar por duas semanas: como sabemos que é esse o caso e o que isso significa para nós pessoalmente?

“O Verbo se fez carne”. Ou seja, o Verbo divino, o filho divino de Deus, tornou-se um humano sem cessar de ser Deus. Como sabemos disso? E o que significa para nós? Vamos dedicar todo o nosso tempo hoje para responder a essa pergunta a partir do versículo 14.

O Verbo habitou entre nós

A primeira razão por que dizemos que o Verbo divino não cessou de ser o Verbo divino quando se tornou humano é a sentença no versículo 14: o Verbo “habitou entre nós”. O sujeito do verbo habitou é o Verbo. E o Verbo é Deus. Portanto, a forma mais natural de compreender a sentença é que Deus, o Verbo, habitou entre nós. É por essa razão que o anjo disse em Mateus 1,23: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco)”. O Verbo, o Filho, não cessou de ser Deus quando se tornou homem.

A glória como o unigênito Filho de Deus

A segunda razão por que cremos que o Verbo é divino é a próxima sentença, no versículo 14: “E vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai”. De quem é a glória? A glória do Verbo — o Verbo que é Deus. E que tipo de glória é? É “a glória como do unigênito do Pai”.

Quando João afirma que a glória do Verbo encarnado é “a glória como do unigênito do Pai”, a palavra como significa uma imitação da glória? Ela não é a glória real do Filho, mas apenas como a glória do Filho? Não penso que seja assim. Se digo, por exemplo: “Tenho um livro para dar e gostaria de dá-lo a você como minha primeira escolha”, você não responde: “Não sou sua primeira escolha; sou apenas como sua primeira escolha”. Significa: “Dou o livro a você como você é realmente minha primeira escolha”. Quando João declara: “Vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai”, ele quer denotar: “Vimos sua glória, glória como ela realmente é — a glória do Filho de Deus”.

Conhecemos esse fato porque novamente, na primeira parte do versículo 14, João afirma de forma simples e direta: “Vimos sua glória”. Não há atributo próprio em Cristo? De quem é a glória? É a glória do Verbo eterno, o Filho. “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória”. Desse modo, não há redução no milagre da encarnação. O Verbo se fez carne e ele se fez sem cessar de ser Deus. Ele manifesta a glória de Deus.

O que significa para nós?

Os versículos de 15 a 18 nos fornecem mais razões para crer que o Verbo se fez carne sem cessar de ser Deus. Vamos chegar lá na próxima semana, se o Senhor quiser. Mas, por agora, vamos perguntar ao versículo 14 qual o significado para nós que o Verbo se fez carne encerra — que o Filho de Deus se tornou humano sem deixar de ser Deus. Por que formulamos essa pergunta? Primeiro, porque a próxima pergunta responde a essa indagação. Contudo, há outra razão.

Cultivando a cultura relacional

Você se lembra de que dois meses atrás preguei diversas mensagens suplicando a Deus que ele pudesse usá-las para desenvolver o que chamei de a cultura relacional para nossa igreja? Expliquei que me referi ao texto de Filipenses 2,3-4: “Nada façais por partidarismo ou vanglória; mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros”. Em outras palavras, vamos crescer como igreja de uma maneira que abandonemos a nós mesmos e sirvamos os outros e tenhamos consideração pelos interesses dos outros.

Você se lembra da base desta cultura para ser servo e a cultura relacional? Os próximos versículos explicaram: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens...” (Filipenses 2,5-7). Em outras palavras, o fundamento do amor humilde e servidor e da cultura relacional renovada na igreja de Bethlehem era: O Verbo se fez carne e habitou entre nós — e morreu por nós.

Encarnação e aplicação

A razão pela qual saliento essa verdade deve-se ao fato de que não dizemos: “Bem, enfatizamos o aspecto relacional no último verão e agora vamos nos voltar à teologia”. Não. A única Teologia que tem relevância para qualquer aspecto é o tipo de teologia descrita em Filipenses capítulo 2, que é exatamente o mesmo tipo do Evangelho de João. Essa teologia nos ajuda a conhecer Cristo e a Glória em Cristo e ser transformado por ele em virtude do amor (13,34; 15,12); significa que ela transforma nossa igreja em seu aspecto relacional. Ela nos faz mais amáveis, mais prestativos, mais servos, menos arrogantes, menos egoístas, menos isolados e mais solidários.

Assim, quando digo: “Vamos esquecer o versículo 14 até que perguntemos o que significa para nós que o Verbo se fez carne”, você pode ouvir a pulsação por trás da questão. Sempre percebo qual a diferença que essa magnífica teologia faz para nossas vidas pessoais e relacionais.

Em Jesus, vemos a glória de Deus

Portanto, o que significa para nós que o Verbo se fez carne? O versículo 14 responde: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e verdade, e vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai”. Significa que em Jesus Cristo podemos ver a glória de Deus e também que a glória de Deus, revelada em Jesus, não nos consome em nosso pecado. Em vez disso, é “cheia de graça e verdade. A glória de Deus em Cristo é sua disposição graciosa para nós sem comprometer sua veracidade, sua fidelidade a si mesmo. E essa disposição amável é muito, muito grande. Por esse motivo, João usa a palavra cheia — a palavra cheia modifica a palavra glória. A glória do Filho de Deus é cheia de amabilidade em relação a nós pecadores sem comprometer a verdade de Deus.

Cheia de graça…

Isso realmente são boas-novas. Deus poderia ter escolhido se tornar carne como um juiz e carrasco. E todos nós seríamos culpados diante dele e seríamos sentenciados ao castigo eterno. Mas ele não se fez carne dessa forma. O Verbo, o Filho, que é Deus, se fez carne para revelar a glória divina, que é “cheia de graça e de verdade”. A Palavra de Deus se fez carne para ser amável para conosco. O Verbo se fez carne de modo que essa amabilidade conosco fosse de acordo com a veracidade de Deus. Essa graça não será uma graça ineficaz, sem princípios e sentimental.

Ela será justa, exaltará a Deus e será preciosa. Conduzirá diretamente à morte de Jesus na cruz. De fato, é por essa razão que Deus se fez carne. Ele precisava ter carne para morrer. Tinha que ser humano para morrer como Deus-homem em nosso lugar (Hebreus 2,14-15). O Verbo se fez carne de modo que a morte de Jesus Cristo fosse possível. A cruz está onde a plenitude da graça brilha com mais fulgor. Essa graça foi manifesta na cruz e comprada ali.

… e de verdade

E a razão pela qual a graça se manifestou através da morte é porque o Filho de Deus é cheio de graça e verdade. Deus é gracioso para conosco e verdadeiro consigo. Portanto, quando seu Filho vem, ele é cheio de graça e de verdade. Quando Cristo morreu, Deus foi verdadeiro consigo, porquanto, o pecado foi punido. E, quando Cristo morreu, Deus foi gracioso para conosco, pois Cristo suportou a punição não nós.

“O Verbo se fez carne” significa para nós que a glória de Deus foi revelada na história como nunca antes, na plenitude da graça e na plenitude da verdade que brilha com mais esplendor na morte de Jesus pelos pecadores.

A visão da beleza espiritual

Tome cuidado para não dizer: “Bem, eu não estava lá para ver a Cristo de modo que não posso ver a glória. Vocês religiosos podem falar tudo o que quiserem a respeito da glória do Filho de Deus, mas ele não está aqui para ver”. Tome cuidado. Não pense sobre a glória no versículo 14 como um mero brilho externo ou beleza. Jesus não foi exuberante ou belo fisicamente. “Não tinha aparência nem formosura; olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse” (Isaías 53,2).

E não penso que essa glória no versículo 14 é como uma mera demonstração de milagres. Houve pessoas que viram os milagres, souberam que eles aconteceram e não viram nada de maravilhoso ou glorioso. Elas quiseram matá-lo (João 11,45-48).

Não, a “glória” do Filho de Deus revelada, a glória do Verbo, a glória de Jesus Cristo em sua primeira vinda é, principalmente, uma glória espiritual, uma beleza espiritual. Não é algo que se vê com os olhos físicos, mas com os olhos do coração (Efésios 1,18). Vemos a forma como Jesus fala, age, morre e, pela graça, vemos uma glória divina ou beleza genuína.

Uma combinação sem paralelo de graça e de verdade

Paulo expressa essa glória em 2 Coríntios 4,4 desta forma: “O Deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus”. A “glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus” é o que João 1,14 chama de o “Verbo cheio de graça e verdade e que tem a glória como do unigênito do Pai”.

E, lembre-se, Paulo fala às pessoas que jamais viram o Jesus terreno, e João escreve seu evangelho para pessoas que jamais viram o Jesus terreno — pessoas como nós. A glória de João 1,14 e a glória de 2 Coríntios 4,4 é a glória que você espiritualmente quando ouve a história de Jesus.

Você não precisa vê-lo fisicamente. Jesus disse em João 20,29: “Bem-aventurados os que não viram e creram”. Você o encontra no Evangelho de João e nos outros escritos da Bíblia. E quando o encontra, por meio dessas histórias inspiradas de suas palavras e obras, sua glória brilha através delas — a beleza genuinamente própria dessa combinação sem paralelo de graça e de verdade.

O novo nascimento através do evangelho

Não é por acaso que os versículos 12 e 13 descrevem o novo nascimento e o versículo 14 descreve a visão da glória do Filho de Deus. Eis os versículos 12-14:

Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e verdade, e vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai.

Lembre-se do versículo 4: “A vida estava nele e a vida era a luz dos homens”. A luz não é a luz física. É o resplendor espiritual da glória do Filho de Deus referido no versículo 14. É dessa forma que vemos sua glória.

E como essa nova vida espiritual acontece conosco? O versículo 13 diz que ela acontece quando não nascemos do homem, mas de Deus. Ela ocorre pelo novo nascimento. É desse modo que temos fé e recebemos a Cristo e nos tornamos filhos de Deus (João 1,12).

Por meio do evangelho — por ouvir a história das obras e palavras redentoras de Jesus —, Deus cria em nós vida espiritual. Nascemos de novo de Deus mediante o evangelho (1 Pedro 1,23-25). E essa nova vida espiritual vê a luz da glória de Cristo (João 1,4). Isso acontece imediatamente. É por essa razão que João 8,12 se refere “à luz da vida”. Quando lhe é concedido vida espiritual, vê-se a glória espiritual.

Veja a glória

Ou outra forma de dizer isso, de acordo com o versículo 12, é que essa nova vida e visão creem na luz e recebem-na como verdade e glória de Jesus Cristo, o Filho de Deus. E nesta vida, luz, no ato de crer e receber, o versículo 12 diz que obtemos o direito de sermos chamados filhos de Deus. Ou seja, somos filhos de Deus porque essa vida, luz, fé e recebimento são nossa luz para sermos filhos de Deus.

Assim, eu elevo diante de vocês o Filho encarnado de Deus: O Verbo se fez carne e habitou entre nós sem cessar de ser Deus. Veja sua glória, glória como do unigênito Filho do Pai, cheio de graça e de verdade. Veja Cristo, pois a glória que ele é, e viva. Amém.

©2014 Desiring God Foundation. Used by Permission.

Permissions: You are permitted and encouraged to reproduce and distribute this material in physical form, in its entirety or in unaltered excerpts, as long as you do not charge a fee. For posting online, please use only unaltered excerpts (not the content in its entirety) and provide a hyperlink to this page. For videos, please embed from the original source. Any exceptions to the above must be approved by Desiring God.

Please include the following statement on any distributed copy: By John Piper. ©2014 Desiring God Foundation. Website: desiringGod.org